Quebra de sigilo liga funcionários da Alesp a ataques virtuais

Quebra de sigilo liga funcionários da Alesp a ataques virtuais

Coluna do Estadão

20 de julho de 2020 | 05h00

O deputado estadual Douglas Garcia durante discussão orlamentária na Alesp. Foto: Alex Silva / Estadão

A quebra de sigilo no processo que apura suposto “gabinete de ódio” na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) ligou funcionários do deputado estadual Douglas Garcia a ataques a parlamentares do PSL adversários do clã Bolsonaro, e até ao Supremo Tribunal Federal. Garcia é investigado no inquérito das fake news da Corte e foi expulso na última semana do PSL. Os documentos relacionam os IPs (espécie de CEP digital) de um auxiliar e dois assessores do parlamentar às publicações.

Round… O post de ataque ao Supremo foi feito em novembro passado, na página do Movimento Conservador, depois da mudança no entendimento da Corte sobre a prisão após segunda instância, que beneficiou o ex-presidente Lula (PT).

… one. A foto, publicada no Instagram, dizia “STF vergonha nacional”, com convocatória para uma manifestação contra a Corte. Todos os posts rastreados no processo são entre maio e dezembro passados.

Round… As demais publicações atacam deputados do PSL que romperam com Bolsonaro, chamando-os de “caroneiros” e “traíras”.

…two. Delegado Waldir (GO) é xingado (“seu bosta”) e Joice Hasselmann chamada de “Peppa Pig”.

O que é. Os IPs identificados são dispositivos (celulares e computadores) registrados nos nomes dos funcionários do gabinete: Eduardo dos Santos Martins, Lilian Denise Goulart Silveira e Paulo Sousa da Silva. Eles recebem, respectivamente, de salário bruto: R$ 6,8 mil, R$ 6,3 mil e $ 8,3 mil, segundo informações da Alesp.

Onde é. Algumas das publicações estão na página do Movimento Conservador, mas a maioria está na de Edson Salomão, chefe de gabinete do deputado e presidente do movimento.

Quem é. Salomão também é alvo do inquérito do STF e pré-candidato a vereador em São Paulo.

Com a… Procurado, o chefe de gabinete disse que está impedido de comentar o caso porque o processo segue em sigilo de Justiça.

… palavra. Em nota, Garcia negou que seus funcionários tenham feito publicações para Salomão. Disse ainda que “trata-se de vazamento seletivo e distorcido de informações de processo em segredo de justiça”.

Mais um. Há ainda publicações reproduzidas no Instagram do chefe de gabinete de Douglas Garcia, mas o IP identificado é o de Cleber dos Santos Teixeira, ex-secretário parlamentar de Alexandre Frota (PSDB) na Câmara.

Com a palavra. À Coluna, Teixeira afirmou não fala com Salomão desde a campanha de 2018 e que nunca teve acesso às suas redes sociais. Sobre o seu IP estar relacionado ao caso, disse achar “curioso” e “interessante”, mas não sabe como isso pode ter acontecido.

CLICK. Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro fizeram ontem um protesto na Esplanada para criticar os governadores. Cada cruz representava um Estado e do DF.

Gabriela Biló/Estadão

Meu time. Convicto de que conseguirá alterar as regras para tentar a reeleição, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), tem dito a interlocutores contar com o apoio de sete ministros do STF.

Plano A. Mesmo que o senador consiga emplacar a tese com um parecer da CCJ da Casa, como a Coluna antecipou, o caso deve acabar sendo questionado no Supremo Tribunal. A presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), é virtual adversária de Alcolumbre.

Sacou? Os ingressos para o 7.º Fórum de Liberdade e Democracia, do IFL-SP, começaram a ser vendidos pelo valor simbólico de R$ 17,76, em referência ao ano da independência dos EUA, como homenagem à defesa das liberdades individuais e do livre comércio.

De fora. O evento será online e terá palestras de Yvonne Cagle, da Nasa, e Jeffrey Tucker, do American Institute for Economic Research.

SINAIS PARTICULARES. 

Bruno Covas, prefeito de São Paulo

Kleber Sales

Quem? A cobiçada vaga de vice na chapa à reeleição de Bruno Covas em São Paulo virou mais uma novela tucana. São tantos os pré-requisitos para ocupá-la que já tem gente desistindo.

PRONTO, FALEI!

Paulo Alexandre Barbosa, prefeito de Santos: “Santos não é a cidade da carteirada. Aqui o cidadão fala mais alto”, sobre o desembargador Eduardo Siqueira (TJSP) se recusar a usar máscara na praia e humilhar um guarda.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.