Para marcar posição, presidente do MDB assume campanha de Simone Tebet

Para marcar posição, presidente do MDB assume campanha de Simone Tebet

Alberto Bombig, Camila Turtelli e Matheus Lara

14 de janeiro de 2022 | 05h00

Senadora Simone Tebet, presidenciável do MDB. FOTO: GABRIELA BILO/ESTADÃO

A decisão de Baleia Rossi de assumir a coordenação da pré-campanha de Simone Tebet a presidente é um recado claro ao MDB e a outros presidenciáveis que sonham em ter o partido como aliado ainda neste início de ano: a senadora tem o respaldo da direção para levar a adiante seu sonho. Outra prova dessa disposição é a oficialização de Felipe Soutello para cuidar da estratégia de comunicação dela. Com gestos, Baleia, que é presidente nacional do MDB, espera afastar as especulações, algumas até eivadas de machismo, de que a senadora só entrou na pré-campanha para descolar uma boa posição em uma aliança: até abril ao menos, Simone estará no jogo, como Moro, Doria etc.

NOVAS… Soutello foi o responsável pela campanha vitoriosa de Bruno Covas (PSDB) a prefeito de São Paulo e está entre os nomes mais valiosos da nova geração de “marqueteiros”. Ou seja, nesse quesito ao menos, Simone Tebet está melhor do que muita gente por aí.

…CARAS. Desde o início, a intenção de Baleia Rossi é aproveitar a pré-campanha para imprimir uma marca nova ao veterano MDB. Além, é claro, de se equilibrar entre a militância partidária bolsonarista do Sul e a lulista do Nordeste. Confirmado na posição oficial de coordenador, o deputado e presidente do partido interditará os diálogos com outras siglas.

VOLTA, TEMER. Há também a turma que trabalha pela pré-candidatura de Michel Temer a presidente. Esse movimento, diga-se, teve seu auge em setembro do ano passado por causa da “carta do arrego”.

PAPEL PICADO. Mas durou menos do que o esperado o benefício que Temer fez ao País ao se dispor a ajudar Jair Bolsonaro após o estresse do Sete de Setembro. A leitura no mundo político é de que o presidente rasgou a carta escrita por Temer ao voltar a atacar o STF.

PIADA VELHA. E pensar que em outubro “auxiliares” inventaram um Bolsonaro “paz e amor” em busca da terceira via. Teve gente que caiu nessa. O jogo de Bolsonaro parece ser radicalizar cada vez mais.

SINAIS PARTICULARES
Jair Bolsonaro, presidente da República

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES

POSIÇÃO CLARA. Pré-candidato a presidente do Novo, Felipe d’Avila se posicionou sobre a proposta de Lula de alterar a reforma trabalhista do governo Temer. “O brasileiro quer mais emprego. Respeitando o artigo 7 da Constituição, novos contratos de trabalho podem ser criados de acordo com os interesses do empregado e do empregador”.

MEIO A MEIO. De um aliado de João Doria (PSDB) sobre a chance de o tucano ser vice de Sérgio Moro (Podemos): é exatamente a mesma de Moro ser vice de Doria. O ex-juiz tem afirmado que não desiste de concorrer ao Planalto.

LOTADO. Apesar de a temporada de especulações estar em alta, um experiente presidente de partido avalia que o cenário está quase consolidado: a terceira via deverá mesmo seguir dividida no primeiro turno entre vários nomes.

PRONTO, FALEI!

José Nelto. FOTO: NAJARA ARAUJO/AG. CÂMARA

José Nelto, deputado federal (Pode-GO): “Ao ministro Paulo Guedes, depois de o Centrão ter tomado tudo dele, só resta a gente dizer aquela frase de um personagem do Jô Soares: ‘vá para casa, Padilha!’”

CLICK
Dilma Rousseff, ex-presidente da República

FOTO: RICARDO STUCKERT/DIVULGAÇÃO

Após ter sido esquecida de um jantar com Lula e de ter tido sua gestão apagada de um texto sobre economia, Dilma ganhou um chamego do petista.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.