Destino de Lula agitou bastidores em São Paulo

Destino de Lula agitou bastidores em São Paulo

Coluna do Estadão

08 de agosto de 2019 | 05h00

Ex-presidente Lula concede entrevista na PF em Curitiba, em abril de 2019. FOTO: RICARDO STUCKERT

O Palácio dos Bandeirantes preparava uma sala de Estado-Maior para Lula, provavelmente no quartel da cavalaria, quando foi surpreendido pela decisão da Justiça de mandar o ex-presidente para Tremembé. Iniciou-se, então, um debate no primeiro escalão do governo sobre os riscos da permanência de Lula sob custódia do sistema prisional paulista. No fim do dia, prevalecia a ideia de que o presídio do interior preenchia os requisitos: fora do domínio do PCC, segurança, biblioteca, aulas, mas que seria uma tensão constante para João Doria (PSDB).

Caminhando… Em linhas gerais, o debate no governo de São Paulo se dividiu em duas grandes correntes. Uma delas via a chance de João Doria mostrar ao País a eficiência do sistema prisional paulista, muito criticado em crises do passado.

…na gilete. A outra corrente, mais cautelosa, avaliava que Doria poderia ser criticado pela direita se Lula tivesse algum tipo de regalia e massacrado pela centro-esquerda se algo ruim acontecesse com o petista.

Olha só. Quarto colocado na lista para a PGR, o procurador Lauro Cardoso esteve com o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge de Oliveira, em um encontro fora da agenda. Cardoso foi paraquedista do Batalhão de Forças Especiais e da Academia Militar das Agulhas Negras.

Legado. O deputado João Campos (PSB-PE) se inspirou no pai ao apresentar uma emenda ao Orçamento para barrar contingenciamentos na Ciência e Tecnologia. Quando ministro, Eduardo Campos (morto em 2014) lutou para preservar os recursos da pasta.

SINAIS PARTICULARES
João Campos, deputado federal (PSB-PE)

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Match. Pedro Cunha Lima (PSDB-PB) se associou ao Livres. O namoro do deputado federal com o movimento liberal era antigo.

Nota… O Conselho de Comunicação Social do Congresso manifestou preocupação com a edição da MP que acaba com a obrigação de empresas publicarem balanços nos jornais.

…oficial. “É especialmente preocupante que o presidente reconheça que sua iniciativa se trata de represália à cobertura jornalística”, diz o texto assinado por Murillo de Aragão.

CLICK. Simone Tebet pendura o quadro com seu retrato na galeria de líderes do MDB no Senado. Ela é a primeira a ocupar o cargo e diz: “Nem quero ser a última”.

FOTO: REPRODUÇÃO ASSESSORIA SIMONE TEBET

Boleto… A Mercedes-Benz obteve liminar da Justiça mineira que determinou a devolução de 317 ônibus vendidos ao governo de Minas na gestão Fernando Pimentel (PT). O valor total do contrato é de R$ 79,2 milhões. A sentença provisória saiu na terça-feira.

…em atraso. No ano passado, outras montadoras também entraram contra o governo de MG por causa de faturas não pagas de veículos. Em forte crise financeira e com um discurso de austeridade, a dúvida agora é se Romeu Zema (Novo) honrará um compromisso não firmado na gestão dele.

Outro lado. Segundo a Mercedes-Benz, não restou alternativa senão a via judicial, visando ao ressarcimento do valor devido. Procurado, o governo mineiro não se pronunciou.

Deixa pra lá. Senadores envolvidos na reforma da Previdência jogam água fria na tentativa da equipe econômica de ressuscitar a capitalização na PEC paralela dos Estados e municípios. “Não passa de maneira nenhuma”, afirma o presidente da Comissão Especial da Previdência no Senado, Otto Alencar (PSD-BA).

PRONTO, FALEI!

Bibo Nunes

Bibo Nunes, deputado federal (PSL-RS)

“Que nova política é essa? Isso é coronelismo”, sobre ter sido retirado de duas comissões da Câmara após ter criticado o deputado federal e presidente do PSL, Luciano Bivar.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU FERNANDO SCHELLER

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Tendências: