‘Bolsonaro não está tendo estabilidade emocional, mental e espiritual para lidar com crises bobas’, diz Janaína

‘Bolsonaro não está tendo estabilidade emocional, mental e espiritual para lidar com crises bobas’, diz Janaína

Marianna Holanda

01 de março de 2020 | 05h00

Deputada do PSL Janaina Paschoal Foto: RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS

Autora do impeachment de Dilma Rousseff, Janaína Paschoal diz estar muito preocupada com Jair Bolsonaro, que apoiou em 2018. “Não cometeu crime de responsabilidade (na divulgação do vídeo), mas ele não está tendo estabilidade emocional, mental, espiritual, para lidar com essas crises bobas, que estão ganhando uma frequência que começa a prejudicar o País”, disse à Coluna.

Janaína faz ainda um alerta: Bolsonaro está se cercando de pessoas que fazem de tudo para isolá-lo, “receita para cair”. Uma dessas pessoas, segundo a deputada, seria seu filho, Eduardo. Para a autora do impeachment, ele quer que o pai não chegue em 2022, para ele próprio ser o candidato. “(Quer) Falar que o pai é vítima e criar discurso para ele em 2022. O foco dele é a Presidência, não tenho dúvida. Ele está trabalhando tanto para isolar o pai, que a única explicação racional é essa”, afirmou.

Eleita pelo PSL com 2 milhões de votos em 2018, a então professora de Direito Constitucional da USP se tornou a deputada mais votada da história do País. No último ano, não poupou críticas ao governo, como quando Bolsonaro indicou Eduardo para embaixada de Washington, mas continua fiel ao ideário conservador defendido por Bolsonaro.

O governador do Rio, Wilson Witzel, ex-juiz, disse nesta semana que a única solução jurídica possível para o presidente Bolsonaro era impeachment. O que a sra acha disso?
Witzel deveria cuidar de dar água potável para o povo do Rio. Depois pode alçar outros voos…

Mas o que a sra achou do vídeo?
Não vejo nem de perto crime de responsabilidade, é um vídeo de auto-elogio e foi para um grupo seleto de pessoas mais próximas. A live de quinta-feira (no Facebook do presidente) que me pareceu muito preocupante, porque mostra um envolvimento psicológico que não está legal. Atacou pessoalmente a jornalista (Vera Magalhães, do Estado). Ele tem direito a criticar a matéria, mas passou para o ataque pessoal. Falou que vai conversar com os empresários para não anunciarem mais em veículos, ele não tem esse direito. São coisas que estão me preocupando, está mostrando falta de condição para o cargo. Ele não cometeu crime de responsabilidade, mas esse cargo demanda um pouco de estabilidade. A pessoa tem que aguentar um pouco de crítica. Entendo que a imprensa não gosta dele, muitos políticos que se calaram na época do PT, agora rapidamente querem falar de impeachment. Mas estou vendo que ele não está tendo estabilidade emocional, mental, espiritual para lidar.

Para lidar com o que?
Com essas confusões,crises bobas estão ganhando uma frequência que começa a prejudicar o País. Foi muito trabalho para tirar do governo criminosos que tínhamos (Janaína foi autora do impeachment de Dilma Rousseff), para elegê-lo, não acho que ele está honrando nada disso. Qualquer um que fale qualquer coisa é traidor. Ele está cercado de gente que faz tudo para ele ficar isolado, esta é a receita para cair.

O presidente lembra a Dilma, nesse sentido?
É um cenário completamente diferente. Com a Dilma, foi uma sucessão de crimes graves, de desvio, omissão diante do desvio. Mas até a gente que quer defender (o presidente) não está conseguindo mais, pela maneira com que ele está lidando com o cargo. Há muita dubiedade.

Com o que, por exemplo?
No orçamento, a base dele votou sim (a favor do orçamento impositivo). E agora estão dizendo que é golpe. Se ele dissesse claramente que está sendo chantageado, eu seria a primeira a defendê-lo. Mas não tem essa transparência. Por que o seu filho votou lá atrás e agora tá dizendo que foi golpe? (em 2019, Eduardo Bolsonaro votou a favor do orçamento impositivo).

Políticos têm demonstrado preocupação com o excesso de militares no governo, com a chegada de Braga Netto na Casa Civil. Como a sra vê isso?
É o que me dá mais conforto: os militares. Eles têm uma estabilidade maior. Tem preocupação com o País, tentam de alguma maneira segurar o presidente. São mais contidos. Mesmo a frase do Heleno, ela foi privada, acabou sendo divulgada.

O que o presidente deveria fazer então?
Primeiro, ele precisa talvez mesclar um pouco mais os não militares. Está com muita mania de perseguição, não está saudável. Resgatar um pouco contato com deputados que são PSL, que sempre o defenderam. Esse cisma entre PSL e Aliança em ano eleitoral… O filho dele ataca as pessoas que os defendem. Eduardo mina todo mundo que dá sustentação ao pai. Parece que quer isolar o pai, é muito estranho.

E o Carlos Bolsonaro?
Carlos tem instinto de proteção do pai, me parece uma coisa honesta. O Eduardo é diferente: tem um plano de poder pessoal. Imagina o discurso que ele não vai ter se o pai cair, de que o pai sofreu golpe, direita foi atacada, cerceada. Isso ninguém me tira da cabeça. Ele votou contra o pai no orçamento, viaja o tempo inteiro, ataca todo mundo que dá sustentação ao pai. O que ele quer com isso? Falar que o pai é vítima e criar discurso para ele em 2022. O foco dele é a Presidência, não tenho dúvida (a Constituição proíbe filhos de presidentes de se candidatarem, permitindo apenas reeleição, mas essa regra muda caso o presidente não termine o mandato). Ele está trabalhando tanto para isolar o pai, que a única explicação racional é essa. Quem levou a advogada que criou a ideia do Aliança Pelo Brasil ao pai foi ele. Para quê o Aliança agora, em ano eleitoral? Para dividir o povo. Isso está sendo fomentado por ele. Você acha que alguém vai me convencer de que políticos experientes não sabiam que o partido não ia ficar pronto a tempo? Óbvio que sabiam. Porque que fizeram isso agora? Eles querem dividir, enfraquecer o presidente. Com que finalidade? Favoreceu muito o PSDB, o DEM…Pessoas novas que queriam entrar na política se desestimularam. Se forem para o PSL vão ser chamadas de traidores, o Aliança não existe…

Falando em eleição, como a sra vai se posicionar na disputa para a Prefeitura de SP? Não vai sair mesmo?
Quero ver as propostas de todos. Eu não saio de jeito nenhum. Acho muito cedo para apoiar A ou B. O cenário está muito incerto. O Arthur (do Val, recém filiado ao Patriota) é um nome bom, o Matarazzo (Andrea, do PSD), pela experiência, Felipe Sabará gostei muito das ideias dele. A Joice (Hasselmann) vai ser a candidata do PSL. A gente vai ter bons candidatos, mas quero ver as propostas. Quero ver a dupla, quem vai ser o vice.

Melhor esperar para se candidatar em 2022 para algum cargo federal?
Não sei de verdade. Tive muito voto fora da capital e tenho que cumprir o mandato. Não acho justo abandonar essas pessoas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: