Bolsonaro escolhe o lado dos ultrarradicais

Bolsonaro escolhe o lado dos ultrarradicais

Coluna do Estadão

16 de março de 2020 | 05h00

FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

A reação de Ronaldo Caiado (DEM-GO) mostra, segundo analistas, que até na base conservadora a atitude de Jair Bolsonaro, de apoio explícito aos atos, foi repudiada. Em redes privadas, líderes se indignaram com a presença do presidente ao lado dos que deixaram suas casas, desafiando recomendações da Saúde, para atacar instituições. Segundo participantes das conversas, pela primeira vez surge um sentimento suprapartidário de que o presidente precisa de freio por escolher a minoria ultrarradical em detrimento da maioria dos brasileiros.

Vixe! “Ninguém mais do que Ronaldo Caiado enfrentou as esquerdas no Brasil”, disse o próprio a manifestantes, ressaltando que era um dos poucos a apoiar Bolsonaro. Terminou vaiado por uma minoria radical.

Questão… Um bom analista político acha que Bolsonaro dividiu sua base popular entre quem tem bom senso e quem não tem ao bancar as manifestações no meio da crise de saúde.

de bom senso. Segundo ele, a classe média não gosta de ser pintada de radical e a fatura pode chegar em breve ao presidente.

Para lembrar. Não é a primeira vez que a base bolsonarista se divide. A primeira foi na indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil em Washington (EUA). Nesse episódio, o presidente teve de recuar.

CLICK. Numericamente, as manifestações deste domingo em todo o País foram pífias. Quem foi, mostrou ser radical no ataque às instituições e na defesa do presidente.

FOTO: WILTON JUNIOR/ESTADÃO

Vai… Cresceu no final de semana a indignação de parlamentares de vários partidos com a decisão do ministro Bruno Dantas, do TCU, de suspender a ampliação do Benefício de Prestação Continuada (BPC) a idosos e a pessoas com deficiência de baixa renda.

…complicar. Mesmo quem votou pela manutenção do veto (ou seja, contra o espeto de R$ 20 bilhões nas contas públicas) vê problemas: “Um membro de um órgão auxiliar do Legislativo suspender uma decisão do Congresso, por maioria qualificada, é inaceitável e exige reação”, diz Marcelo Ramos (PL-AM).

E agora? A decisão no TCU ocorreu justamente quando líderes do Congresso tentavam esfriar os ânimos e desarmar novas bombas a serem plantadas na relação com o Executivo.

O que temos… Preocupados com o desgaste da relação entre Executivo e Legislativo, diplomatas estrangeiros intensificaram as conversas com parlamentares para entender o impacto que a covid-19 pode ter na economia brasileira e no andamento do Congresso.

…para hoje. A busca por informações com deputados e senadores tem por trás a falta de acesso dos diplomatas a  representantes ao governo: a boa interlocução com o Itamaraty, como havia em outros momentos, já era, relatam os parlamentares procurados.

Superstar. O cineasta Bruno Barreto fará documentário sobre o ex-presidente Michel Temer (MDB) e seu legado. Inicialmente, ele havia pensado em uma longa entrevista, mas achou que o formato poderia soar arrastado.

SINAIS PARTICULARES.
Michel Temer, ex-presidente da República

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Mudança. Daniel José assume hoje a liderança do Novo na Assembleia-SP. Economista, especialista em educação e mestre em relações internacionais em Yale (EUA), é autor do projeto do ICMS educacional, em tramitação na Casa, que atrela maior repasse ao desempenho escolar.

BOMBOU NAS REDES!

Janaina Paschoal. FOTO: SERGIO CASTRO/ESTADÃO

Janaina Paschoal, deputada estadual (PSL-SP): “Em momentos de crise, vemos a diferença que faz a cultura. Não estou falando de educação. Estou falando de cultura. Que triste constatar nosso atraso.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: