Apesar de Bolsonaro, voto impresso tem poucas chances de prosperar na Câmara

Apesar de Bolsonaro, voto impresso tem poucas chances de prosperar na Câmara

Coluna do Estadão

11 de janeiro de 2021 | 05h00

Foto: Romildo de Jesus / Futura Press

A pressão de Jair Bolsonaro para instituir o voto impresso não encontra eco hoje nem entre aliados no Congresso. Membros da articulação política também avaliam que há temas mais urgentes. Líderes partidários, porém, temem que a questão possa crescer e começar a ganhar peso em meio a um debate pré-eleitoral polarizado. Por isso, a definição sobre quem será o próximo presidente da Câmara é crucial. Arthur Lira (PP-AL), apoiado pelo governo na disputa, tem prometido respeitar a vontade da maioria dos partidos no grupo dos líderes.

Consenso. “Eu sou contra o voto impresso, mas toda pauta que tiver algum apelo na sociedade será debatida no colegiado de líderes. Pauta e ganha quem tiver mais votos, é democracia”, disse Marcelo Ramos (PL-AM), vice de Lira.

Senta lá. Baleia Rossi (MDB-SP), nome de Rodrigo Maia (DEM-RJ) na disputa, disse ao jornal Folha de S. Paulo ser contrário à discussão do voto impresso em meio ao clima de desconfiança do sistema eleitoral.

Em que… A PEC do voto impresso foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) em dezembro de 2019. O próximo passo seria instalar uma comissão especial, o que depende do presidente da Casa.

… pé está. “Contei até com voto de deputado do PT na comissão. É uma pauta do Bolsonaro, mas não é exclusivamente dele. É suprapartidária”, disse a autora da proposta, deputada Bia Kicis (PSL-DF).

SINAIS PARTICULARES.
Jair Bolsonaro, presidente da República

Deu ruim. O voto impresso foi implantado em caráter experimental nas eleições de 2002, mas acabou sendo rejeitado pelo TSE. Na época, a medida foi adotada em 150 municípios – 6,18% do eleitorado.

Deu ruim 2. Segundo relatório do TSE, o voto impresso “nada agregou em termos de segurança ou transparência”. Nas eleições municipais, a medida poderia ter “efeito desastroso”. O texto diz que foram maiores as filas e o porcentual de urnas com defeitos.

Xi… Secretário estadual de São Paulo, Alexandre Baldy (PP) é aguardado hoje em visita de Arthur Lira a Goiás. Acontece que João Doria apoia Baleia.

Redução… O Ministério da Saúde corre contra o relógio para usar os testes encalhados num galpão em SP: no final de abril, vencem as primeiras duas milhões de unidades. Em maio, 3,9 milhões. O resto (213 mil) vence em junho.

… de danos. Em novembro, eram 7,1 milhões de testes RT-PCR parados – 900 mil foram distribuídos.

Mais! O Instituto Butantã tem expectativa de receber nesta semana, possivelmente na quarta-feira, mais uma leva de insumos para a produção da Coronavac. Falta só o ‘ok’ dos chineses.

Taokey?! Circula uma nova ordem no Ministério da Saúde: está proibido falar “vacina de São Paulo”. O “certo” é Coronavac ou “vacina do Butantã”.

CLICK. Secretário da Pesca, Jorge Seif fez uma peixada no Alvorada para Bolsonaro e ministros. Dentre eles, Ernesto Araújo, Milton Ribeiro e Paulo Guedes.

Reprodução/Instagram

Verdes. O Livres lança hoje podcast para debater o agronegócio. Será semanal e terá como apresentadores Claudia Costa, coordenadora do movimento para o setor, e Octaciano Neto, ex-secretário de Agricultura do ES. “Queremos iniciar um ciclo de debates sob a ótica liberal”, diz Claudia.

PRONTO, FALEI!

Foto: Governo de SP

João Doria, governador de São Paulo: “É preciso senso de urgência da Anvisa. Ritos da ciência devem ser respeitados, mas devemos lembrar que o Brasil perde cerca de mil vidas por dia”.

COM MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. COLABORARAM MATEUS VARGAS E RAFAEL MORAES MOURA.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.