Jobim admite voto impresso em 2002

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Nelson Jobim, admitiu hoje a possibilidade de fazer mudanças nas eleições de 2002, quando os brasileiros votarão para Presidente da República, governadores e parlamentares. A principal dessas modificações seria a introdução do voto impresso.Por meio dessa inovação, os eleitores poderiam confirmar materialmente se o voto digitado na urna eletrônica foi computado corretamente pela máquina. Jobim reconheceu que esse é um direito legítimo dos eleitores, durante palestra realizada na sede do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Brasília.Empenhado em encontrar uma fórmula para fazer a alteração nas eleições de 2002, o presidente do TSE se reunirá amanhã com o senador Roberto Requião (PMDB-PR), um dos principais defensores do voto impresso. Para introduzir a novidade, o Congresso teria de aprovar uma lei prevendo a impressão do voto.Apesar de reconhecer o direito dos eleitores à comprovação do voto, o ministro criticou os projetos apresentados até agora sobre o assunto porque, na opinião dele, poderiam dar margem para a ocorrência de fraudes.CabinesAlém do voto impresso, Jobim está preocupado com as cabines de votação. Segundo ele, com a cabine usada nas últimas eleições, que era baixa, o eleitor poderia sentir-se pressionado a votar rapidamente por mesários e por quem aguardava na fila.Ele lembrou que, nas últimas eleições, foi registrado um grande índice de votos em branco e nulos. Ao ser pressionado a votar rápido, o eleitor optava pelo voto em branco ou nulo, acredita o ministro. "Com a instalação de cabines indevassáveis, o eleitor poderá votar, utilizando, sem constrangimento, a relação escrita de votos, ou seja, a popular ´cola´", afirmou Jobim.O presidente do TSE informou que, nas próximas eleições, deverão votar cerca de 114 milhões de brasileiros, número que corresponde a 67% da população. Segundo ele, deverão ser usadas 404 mil urnas eletrônicas. A expectativa é de que cada eleitor demore, aproximadamente, 1 minuto e 15 segundos para votar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.