Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

‘Já acertaram a fraude para 2022?’, pergunta Bolsonaro na primeira live do ano

Presidente volta a criticar sistema de votação eletrônica após ligar ato nos EUA a eleição no Brasil

Vinícius Valfré, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2021 | 21h17

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro disse que manter o atual sistema de votação eletrônica para as eleições de 2022 significa uma fraude antecipada para prejudicá-lo na disputa em que poderá tentar a reeleição. Na primeira transmissão semanal ao vivo de 2021 pelas redes sociais, Bolsonaro lançou suspeitas sobre o processo eleitoral norte-americano, mas evitou comentar a invasão do Congresso, em Washington, por extremistas pró-Donald Trump.

O presidente fez a declaração ao defender novamente a adoção do voto impresso no Brasil – mais cedo, Bolsonaro ligou o ato em Washington a eleição de 2022 e disse Brasil pode ter um “problema pior” que o registrado nos EUA.

Na prática, o sistema pretendido por Bolsonaro não substitui a urna eletrônica, mas gera uma espécie de comprovante físico dos votos para recontagens manuais.

“Qual o problema nisso? Estão com medo? Já acertaram a fraude para 2022? Eu só posso entender isso aí. Eu não vou esperar 2022, não sei nem se vou vir candidato, para começar a reclamar. Temos que aprovar o voto impresso”, disse ele na live.

Ao lado do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, o presidente pediu respeito àqueles que não acreditam na segurança das urnas eletrônicas. “Quem acredita que o voto eletrônico vale, tudo bem, não vou discutir contigo. Tem muita gente que não acredita, e temos que respeitar esse lado de cá”, afirmou.

Bolsonaro já disse ter provas de que as eleições de 2018 foram marcadas por fraudes, que lhe retiraram uma vitória em primeiro turno. Até hoje, porém, não apresentou qualquer evidência. Ao contrário do que defende o presidente, a votação eletrônica no Brasil permite auditoria.

As suspeitas que o presidente Bolsonaro voltou a lançar sobre o sistema eleitoral do Brasil, na esteira dos confrontos nos Estados Unidos, provocaram fortes reações no mundo político e jurídico. “É um ataque direto e gravíssimo ao TSE e seus juízes”, afirmou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, declarou que a vida institucional não pode ser palanque e que as autoridades precisam ser responsáveis pelo que dizem.

“Se alguma autoridade possuir qualquer elemento sério que coloque em dúvida a integridade e a segurança do processo eleitoral, tem o dever cívico e moral de apresentá-lo. Do contrário, estará apenas contribuindo para a ilegítima desestabilização das instituições”, disse Barroso, em nota divulgada nesta quinta-feira, 7.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.