Política

Política

Confusão encerra audiência de Moro na Câmara

Ministro da Justiça explicou supostas conversas de quando atuava como juiz federal em Curitiba

Após mais de sete horas de sessão, a audiência com o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro,  na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara foi encerrada nesta terça-feira, 2, após uma confusão generalizada entre deputados da base e da oposição. O tumulto começou quando o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) afirmou que Moro iria entrar para história como "o juiz mais corrupto da história do Brasil".

 

A declaração causou protestos de parlamentares, que interpelaram o deputado do PSOL. A discussão chegou à mesa da presidência, onde Moro respondia, desde as 14 horas, questionamentos sobre mensagens trocadas entre ele e procuradores da Operação Lava Jato, vazadas pelo site The Intercept Brasil.  

 

Cercado por seguranças e deputados do PSL, Moro deixou o local por uma porta lateral. A deputada Professora Marcivânia (PCdoB-MA) presidia a sessão e encerrou o depoimento.  

 

Assista à audiência:

 

Foto: Gabriela Biló/Estadão

video ataque

ACOMPANHE AO VIVO

Atualizar
  • 22h29

    02/07/2019

    Boa noite, encerramos neste momento a cobertura em tempo real da audiência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados com a participação do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Para saber as últimas notícias, continue acompanhando o Estado

     

    Obrigado pela companhia! Até a próxima.

     

    Foto: Gabriela Biló/Estadão

    Foto: Gabriela Biló/Estadão

  • 22h18

    02/07/2019

    Após a confusão que levou ao fim da audiência com o ministro Sérgio Moro na Câmara dos Deputados, o titular do Ministério da Justiça e Segurança Pública atribuiu o encerramento a ofensas do deputado Glauber Braga (PSOL-RJ), que o chamou de "juiz ladrão". 

     

    "Acho que prestei informações, respondi, houve até alguns ataques, acho que a gente respondeu tudo. No final um deputado absolutamente despreparado, que não guarda o decoro parlamentar, fez uma agressão, umas ofensas que são inaceitáveis. E infelizmente se teve de encerrar a sessão e a culpa é desse deputado absolutamente despreparado, Clauber, acho, Glauber alguma coisa, sabe Deus lá de onde veio isso aí", disse Sérgio Moro ao se despedir da Câmara, na única fala aos jornalistas, sem admitir perguntas.

     

    Glauber Rocha respondeu. 

     

    "O Moro me chamar de desqualificado, para mim, é um elogio. Porque alguém como ele que se vendeu, que se corrompeu e que, depois, recebeu um cargo no ministério de Jair Bolsonaro exatamente por ter se vendido, o nome disso é corrupção", disse o deputado ao Estado na saída da sessão. "Ele mente quando diz combater a corrupção, ele tem um projeto de poder próprio."

     

    (Breno Pires e Renato Onofre, de Brasília, O Estado de S. Paulo)

     

    Foto: Gabriela Biló/Estadão

    Gabriela Biló/Estadão

  • 22h12

    02/07/2019

    O depoimento do ministro da Justiça, Sergio Moro, na CCJ transformou-se em uma arena de embates entre deputados da oposição e o ex-juiz da Lava Jato. Sem a mesma "blindagem" que teve quando foi ao Senado, há 13 dias, Moro se irritou com perguntas, disse não haver "inocentes" presos e afirmou que acompanha como "vítima" as investigações da Polícia Federal sobre a troca de mensagens atribuídas a ele e a procuradores da Lava Jato.

     

    Em mais de sete horas de sabatina, Moro negou-se a confirmar ou rejeitar o conteúdo dos diálogos divulgados pelo site The Intercept Brasil e classificou como "revanchismo" os ataques que vem recebendo. "Há uma tentativa criminosa de invalidar condenações", afirmou ele. "Qual foi a mensagem que revela que tem inocente condenado? Que inocentes?", questionou.

     

    Saiba mais. 

     

    Foto: Gabriela Biló/Estadão

    Gabriela Biló/Estadão

  • 21h52

    02/07/2019

  • 21h47

    02/07/2019

    A audiência na Comissão de Constituição de Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados para tratar do vazamento de supostas conversas entre o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e procurador Deltan Dallagnol foi encerrada após um tumulto durante a fala do ministro Glauber Braga (PSOL-RJ). O parlamentar chamou o ex-juiz de "corrupto" e "ladrão". A sessão durou quase oito horas.

     

    Foto: Gabriela Biló/Estadão

    Gabriela Biló/Estadão

  • 21h42

    02/07/2019

    A reunião foi encerrada, mas o tumulto continua.

  • 21h41

    02/07/2019

    A confusão segue na audiência. Os deputados ignoram os pedidos para que fiquem sentados.

  • 21h38

    02/07/2019

    Alguns deputados pedem a suspensão da sessão.

  • 21h36

    02/07/2019

    A fala do deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) gera gritaria de outros parlamentares, troca de ofensas verbais e princípio de tumulto na audiência.

  • 21h24

    02/07/2019

    O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, durante a audiência na CCJ da Câmara dos Deputados nesta terça-feira, 2.

     

    Foto: Gabriela Biló/Estadão

    Gabriela Biló/Estadão

  • 21h21

    02/07/2019

    O deputado Helder Salomão (PT-ES), que conduz a audiência, comete ato falho e chama Sergio Moro de "deputado". 

  • 21h17

    02/07/2019

    Deputados da oposição e da base de apoio do governo repetem perguntas e argumentos para acusar ou defender o ministro Sergio Moro.

  • 21h00

    02/07/2019

    O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, comete ato falho e se refere a Jair Bolsonaro como "ex-presidente" e, logo em seguida, se corrige.

  • 20h59

    02/07/2019

  • 20h56

    02/07/2019

    "Eu nunca manifestei minha opinião (a jornalistas) sobre casos pendentes", afirmou o ex-juiz. "Por isso, não posso responder sim ou não", disse em relação à pergunta se já havia trocado mensagens com jornalistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.