Raquel Cunha/TV Globo
Raquel Cunha/TV Globo

Políticos reagem à aprovação a Luciano Huck

'Barômetro Político Estadão-Ipsos' que mostra melhoria da imagem do apresentador repercute entre presidenciáveis

Adriana Ferraz, Gilberto Amendola, Elizabeth Lopes, Thiago Faria, O Estado de S. Paulo, e Thiago Navarro, especial para o Estado

23 Novembro 2017 | 21h54

BRASÍLIA E SÃO PAULO - A divulgação nesta quinta-feira, 23, do Barômetro Político Estadão-Ipsos que aponta alta na aprovação pessoal do apresentador de TV Luciano Huck provocou imediata reação no meio político e entre pré-candidatos à Presidência. Analistas e cientistas políticos avaliam, entretanto, que a alta aprovação da imagem não necessariamente significa conversão em intenção de votos e que, caso tenha a intenção de que isso aconteça, o apresentador teria de se movimentar mais explicitamente no cenário eleitoral.

+++ Aprovação a Huck cresce 17 pontos, afirma Ipsos

No meio político, a reação mais explícita foi na forma de provocação feita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tenta viabilizar sua candidatura pelo PT enquanto aguarda julgamentos da Operação Lava Jato. Em entrevista a uma rádio, Lula disse que tudo o que mais deseja na vida é “disputar (a eleição) com alguém com o logotipo da Globo na testa”. A mesma frase foi publicada no Twitter do petista.

+++ Lula provoca Huck: 'Tudo que quero é disputar com alguém com logotipo da Globo na testa'

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF), que também já externou a intenção de se candidatar à Presidência, minimizou o resultado. “Se colocarmos os nomes do Faustão, Fernanda Montenegro e de atores de novela, acho que também teriam aprovação desse tipo”, disse. Para ele, um candidato tem de estar “carregado” de proposta e bagagem política. “Fica difícil responder sobre o nome do Huck porque não sei qual é a proposta dele para o Brasil.” 

+++ Para cientista político, Huck chama a atenção por estar no meio do caminho entre Lula e Bolsonaro

Potencial candidato à Presidência pelo PSDB, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse, durante visita a Barra Bonita, que novas lideranças na política, como Huck, “são positivas”. “A pior política é a omissão. Não sei se ele será candidato (a presidente), mas se puder participar de alguma forma, ganha o País e a sociedade”, afirmou. 

+++ Luciano Huck presidente? Internautas brincam com assunto nas redes

O Barômetro Político Estadão-Ipsos mostrou significativa melhora na imagem do apresentador nos últimos dois meses. A aprovação ao nome de Huck registrou salto de 17 pontos porcentuais desde setembro, passando de 43% para 60% no mês seguinte. Já a desaprovação caiu de 40% para 32% no mesmo período. 

O cientista político Rodrigo Augusto Prando, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, ressaltou que os números não significam consolidação de eleitores que votariam em Huck, uma vez que a pergunta do levantamento é: “Agora vou ler alguns nomes e gostaria de saber se o senhor (a) aprova ou desaprova a maneira como eles vem atuando no País”.

Para o professor, a pesquisa revela o alto porcentual de entrevistados aprovando a atuação de Huck como apresentador da maior rede de televisão brasileira. “Isso pode, em breve, se converter em votos? A resposta, aqui, não é tão simples, pois a variável ainda importante no cenário para 2018 é se Lula será ou não candidato”, disse. 

Articulação

Para transformar os 60% de aprovação em votos, Huck precisaria se aproximar de políticos experientes, sem perder o “ar de novidade”. Essa é a opinião do cientista político Vitor Oliveira, da agência Pulso Público. “Ele precisa dessas forças tradicionais para ter estrutura ou base para entrar em uma disputa eleitoral com chances reais”, afirmou. O apresentador tem dito que não é candidato, mas tem conversado com lideranças partidárias. 

Para o estrategista-chefe da XP Investimentos, Celson Plácido, a baixa rejeição de Huck é “natural”.

Repercussão

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Tudo o que eu mais desejo na vida é disputar (a Presidência) com alguém com o logotipo da Globo na testa.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Se colocarmos os nomes do Faustão, Fernanda Montenegro e de atores de novela, acho que também teriam aprovação desse tipo.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Cristovam Buarque, senador (PPS-DF)

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Não sei se ele será candidato (a presidente), mas se puder participar de alguma forma, ganha o País e a sociedade.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Geraldo Alckmin, governador de São Paulo

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Isso (alta aprovação da imagem de Huck) pode, em breve, se converter em votos? A resposta, aqui, não é tão simples, pois a variável ainda importante no cenário 

para 2018 é se Lula será ou não candidato.

E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Rodrigo Prando, cientista político

Barômetro marca parceria Estadão-Ipsos

A publicação nesta quinta dos resultados do Barômetro Político, agora renomeado Barômetro Político Estadão-Ipsos, marca o início de uma parceria entre o principal jornal brasileiro e a terceira maior empresa de pesquisas do mundo.

Levantamento que mede a popularidade das principais figuras públicas do País, o Barômetro ouve mensalmente cerca de 1,2 mil pessoas em 72 municípios e faz parte do Pulso Brasil, pesquisa da Ipsos que monitora a opinião pública sobre política, economia, consumo e questões sociais.

Com histórico desde agosto de 2015, o Barômetro tem refletido o descontentamento da população brasileira com a classe política. A pesquisa, no entanto, não é um levantamento de intenção de votos, mas a aprovação ou desaprovação da maneira como figuras públicas vêm atuando no País.

Para acompanhar o lançamento do Barômetro Político Estadão-Ipsos, o Estado passará a publicar em seu site uma coluna mensal de Danilo Cersosimo, diretor da área de Public Affairs, sobre o cenário político nacional. Sociólogo pela USP e mestre em Estudos Urbanos pela University College London, Cersosimo atua há mais de 20 anos em pesquisa social e opinião pública.

“A parceria com O Estado de S. Paulo acontece em um momento muito importante para o nosso País. Trazer um entendimento total sobre o Brasil e os brasileiros é a missão da Ipsos. Por isso, é um motivo de enorme satisfação contar agora com O Estado de S. Paulo, um dos veículos de comunicação de maior credibilidade do País, para levarmos ao público dados e análises da nossa pesquisa Barômetro Político, que será um importante termômetro no cenário das eleições de 2018”, avalia Marcos Calliari, CEO da Ipsos no Brasil.

“A parceria entre Estadão e Ipsos levará aos nossos leitores um conteúdo de alta qualidade sobre as questões mais atuais e relevantes no Brasil e no exterior”, afirma João Caminoto, diretor de Jornalismo do Grupo Estado.

Fundada em 1975 na França e presente no Brasil desde 1997, a Ipsos é uma empresa independente de pesquisas de mercado, que hoje atua em 88 países e tem mais de 5 mil clientes. A Ipsos está atrás apenas de Nielsen e Kantar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.