Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Para cientista político, Huck chama a atenção por estar no meio do caminho entre Lula e Bolsonaro

Conforme levantamento inédito Estadão-Ipsos, apresentador cresceu 17 pontos em ranking de imagem

Thiago Faria, O Estado de S.Paulo

23 Novembro 2017 | 16h18

BRASÍLIA - O cientista político David Fleischer afirmou nesta quinta-feira, 23, que a alta na aprovação da imagem do apresentador de TV Luciano Huck se dá por ele ser visto como uma alternativa de centro para a disputa presidencial de 2018.

Pesquisa Ipsos divulgada pelo Estado mostra o apresentador com uma melhora significativa de imagem nos últimos dois meses. A aprovação ao nome de Huck registrou salto de 17 pontos porcentuais desde setembro, passando de 43% para 60%. Já a desaprovação caiu de 40% para 32% no mesmo período. Huck tem conversado com o PPS sobre uma possível filiação tendo em vista a disputa eleitoral do ano que vem.

+++ Lula provoca Huck: 'O que mais quero é disputar com alguém com logotipo da Globo na testa'

"Huck e Doria estão no meio do caminho entre o ex-presidente Lula (PT) e Jair Bolsonaro, entre os dois extremos, um na esquerda e outro na direita. Por isso Huck tem chamado mais atenção", afirmou o professor emérito da Universidade de Brasília (UnB).

VEJA O INFOGRÁFICO: Barômetro Político Estadão-Ipsos

Fleischer vê a possibilidade, inclusive, de Huck ser um candidato que represente o grupo político hoje no governo. "Não sabemos se algum outro outsider vai aparecer. (Henrique) Meirelles (ministro da Fazenda) é e não é um outsider, mas tem uma rejeição muito alta. Joaquim Barbosa ainda não se decidiu", afirmou."Essa é uma preocupação, de ter um centrista. Marina Silva e Ciro Gomes não são viáveis como candidatos de centro. O grande candidato do centro seria Sérgio Moro, mas ele não quer ser."

+++ ANÁLISE: Apresentador se beneficia de maior exposição política

O cientista político também justifica o fato de Lula ter a menor desaprovação entre os políticos citados na pesquisa pela memória que a população tem em relação ao seu governo. Ele ressalva, no entanto, que uma eventual condenação em segunda instância pode atrapalhar o plano do petista de ser eleito para um terceiro mandato.

+++ Alckmin elogia Huck e diz que incentiva sua entrada na política

"Muita gente ainda lembra de forma favorável do seu governo. Tanto o Bolsa Família, quanto o crescimento econômico. O PIB nunca cresceu tanto. A população lembra dele pelos pontos positivos do seu governo. A condenação em primeira instância não afeta essas pessoas, mas se ele for condenado em segunda instância isso vai prejudicar ele, pois seria ficha-suja. A não ser que o Supremo entre e zere tudo isso. É possível", disse Fleischer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.