Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

'O que dirige meu governo é o diálogo com o Congresso e a sociedade', diz Temer

Temer ressaltou que recebeu pleitos pelo Rio do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do governador Pezão e do prefeito Crivella

Elizabeth Lopes, Francisco Carlos de Assis e e Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2017 | 15h20

RIO e SÃO PAULO - Em visita ao Rio de Janeiro na manhã desta segunda-feira, 13, para o lançamento do Programa Emergencial de Ações Sociais para o Estado e municípios, o presidente Michel Temer (PMDB) disse que a palavra chave do projeto é "integração". Temer disse ter se sentido inspirado pelos que discursaram antes dele e elogiou Luiz Fernando Pezão (PMDB). Em um discurso improvisado, o presidente pegou como gancho a fala do governador, que, momentos antes, fez menção "ao diálogo".

+++ Bolsa Família terá aumento real até março ou abril, diz ministro

Segundo Temer, esse é o lema do governo federal. "O termo que dirige meu governo é o diálogo com o Congresso e com a sociedade. Isso permitiu chegarmos hoje com queda do desemprego, inflação e juros mais baixos", disse.

+++ 'Sou preta, pobre e da periferia', diz ministra em lançamento de programa emergencial para o Rio

"Vou convidar o governador Pezão para fazer todos os meus discursos. Ele falou que o nosso governo é o governo diálogo e a palavra-chave aqui (do evento no Rio) é a integração", disse Temer. A cerimônia contava ainda com o ministro da Justiça, Torquato Jardim, e autoridades da Polícia Militar do Rio, que há poucos dias protagonizaram um bate-boca pela imprensa por conta da declaração do ministro de que o alto comando da PM fluminense estaria envolvido com o crime organizado.

+++ Temer e Gilmar têm encontro não-oficial no Palácio do Jaburu

"Com integração, o Brasil tem jeito e cada vez mais futuro. Não tenho mais dúvida desse fato", disse o presidente durante seu breve discurso. Ele acrescentou que a solenidade traz o símbolo da paz por meio do esporte, um meio de integração social, e mencionou o "sucesso" das Olimpíadas no Rio de Janeiro.

+++ Temer planeja reforma ministerial nas próximas semanas

Para exemplificar a boa relação do governo federal com o Estado, Temer disse que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), Pezão (PMDB) e Crivella (PRB) não deixaram de comparecer ao seu gabinete para fazer pleitos para o Rio. "O Brasil é uma unidade que quer paz e viver o que estamos vivendo hoje", alfinetou Temer.

+++ Em defesa da reforma trabalhista, Temer alerta contra ‘informações falsas’

A cerimônia de lançamento do Programa Emergencial de Ações Sociais para o Estado do Rio de Janeiro e Municípios ocorreu numa unidade da Marinha do Brasil na Avenida Brasil, na zona norte do Rio. A União liberou de imediato R$ 157 milhões para o Estado, com ações nas áreas de justiça, educação, esporte e direitos humanos.

+++ 'Aécio vai disputar governo ou reeleição no Senado', diz presidente reeleito do PSDB-MG

Para participar, os beneficiários devem estar inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do governo federal. Preferencialmente, devem ser atendidos pelo Bolsa Família, informou o Ministério do Desenvolvimento Social. A expectativa é atender 50 mil crianças e adolescentes de 6 a 17 anos de áreas carentes do Rio, como as favelas dos complexos do Lins de Vasconcelos, do Alemão, da Maré e Cidade de Deus, entre outras.

+++ PPS abre as portas para candidatura de Huck

Na prática, serão ampliados os serviços oferecidos por oito Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e seis Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas). A maior parte da plateia da cerimônia de lançamento era formada por jovens atendidos por programas sociais desenvolvidos em parceria com as Forças Armadas e ministérios da área social, como o Forças no Esporte, uma ação de extensão do Programa Segundo Tempo, coordenado pelo Ministério do Esporte.

+++ Comitê de Temer doou, em 2014, à campanha de delegado cotado a 02 da PF

Acompanharam o presidente ao Rio a primeira-dama, Marcela Temer, os ministros dos Direitos Humanos, Luislinda Valois (PSDB-BA), Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra (PMDB-RS), do Esporte, Leonardo Picciani (PMDB-RJ) e o da Justiça, Torquato Jardim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.