Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

'O Brasil não precisa de guerreiros, mas de pacificadores', diz Alckmin

Governador também diz ser preciso estimular novos nomes na política, como Huck

Vera Rosa, O Estado de S. Paulo

06 Fevereiro 2018 | 20h57

Pré-candidato do PSDB ao Palácio do Planalto, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse nesta terça-feira que pretende se reaproximar do presidente Michel Temer.

“É importante conversar. O Brasil não precisa de guerreiros, mas de pacificadores”, afirmou ele. Foi uma referência indireta ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4. Região a 12 anos e um mês de prisão e aclamado por petistas como “guerreiro do povo brasileiro”

++ Alckmin diz que pode ter 'dois ou três palanques' em São Paulo  

O Estado revelou que amigos em comum de Temer e Alckmin tentam promover um encontro entre os dois para verificar se é possível algum tipo de acerto do MDB com o PSDB na campanha. Alckmin está em Brasília, mas disse não ter qualquer reunião marcada com Temer.

 

 O governador e o presidente se distanciaram no ano passado. A maior parte da bancada do PSDB na Câmara votou a favor do prosseguimento das denúncias contra Temer e o partido também saiu da base aliada em dezembro.

Alckmin amenizou, nesta terça, as declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que, em entrevista à Rádio Jovem Pan, afirmou que a candidatura do apresentador Luciano Huck “seria boa para o Brasil”. Huck e o governador apareceram tecnicamente empatados em recente pesquisa Datafolha.

++ Com pouco tempo de TV e fundo partidário, Marina lança plataforma para voluntários 

“Nós temos de estimular os novos nomes na política. Se ele vai ser candidato ou não é outra questão”, argumentou Alckmin, que preside o PSDB. Para o tucano, Fernando Henrique não está rifando sua candidatura. “Ele tem sido muito generoso comigo. Mais do que eu mereço”, disse o governador.

Antes de participar, nesta terça-feira, da cerimônia de posse do ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux na presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alckmin esteve com o senador Aécio Neves (PSDB-MG). Ainda nesta terça, ele vai jantar com o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e amanhã, 7, comandará a reunião da Executiva Nacional do PSDB, que deve definir critérios para as prévias no partido, até mesmo nos Estados. O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, já anunciou que vai disputar com Alckmin a indicação do PSDB para concorrer ao Planalto, em uma prévia marcada para 4 de março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.