Fabio Vieira/FotoRua
Fabio Vieira/FotoRua

Alckmin diz que pode ter 'dois ou três palanques' em São Paulo

Governador deixa cargo em abril para disputar a Presidência da República; sucessão do governo do Estado está sendo disputa pelo vice-governador, Márcio França (PSB), e tucanos, como o prefeito João Doria

Marcelo Osakabe e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

06 Fevereiro 2018 | 14h01

O governador Geraldo Alckmin disse nesta terça-feira, 6, que sua base partidária em São Paulo pode ter "dois ou três palanques" na disputa pelo Palácio dos Bandeirantes.

++ Aliados tentam reunir Alckmin e Temer

++ FHC diz que seria bom Lula disputar eleições, mas que 'a lei é a lei'

Em entrevista coletiva ao lado do prefeito João Doria, na sede da prefeitura da capital, Alckmin disse que tentará reunir a mesma base de apoio que elegeu ele e também Doria. "Temos uma base ampla que me elegeu governador e o Doria, prefeito. Se pudermos estar juntos de novo, ótimo. O PSDB, como maior partido no Estado, tem aspiração legítima de ter candidato próprio. Se não for possível, teremos dois ou três palanques, não haverá problema", afirmou.

Já o prefeito João Doria fez mais uma vez uma defesa incisiva do lançamento de um candidato tucano ao governo paulista. "O PSDB terá o seu candidato. O que eu tenho dito não é diferente do que têm dito o governador:  o PSDB terá candidato ao governo de São Paulo. O governador, aliás, nunca disse o contrário. Ele apenas defende, e corretamente, que quanto maior for o apoio, melhor. Isso é saudável e positivo."

Ao concluir sua fala, o prefeito ressaltou que esta posição "não desmerece" o vice-governador, Márcio França (PSB). Presidente do PSB paulista, o vice-governador já articula uma frente partidária para apoiar sua candidatura ao governo paulista.

++ Apoio de Alckmin a Márcio França incomoda Temer

Ele deve assumir o executivo paulista em abril, quando Alckmin deve deixar o cargo para disputar a presidência da República. Doria é apontado no PSDB como um dos eventuais pre-candidatos tucanos à sucessão de Alckmin. 

Os dois falaram após assinatura do convênio para a liberação de R$ 163,4 milhões para 1.248 moradias na cidade. Desse montante, o governo do Estado liberou R$ 25,2 milhões, enquanto a União contribuiu com R$119,8 milhões e o município, com os terrenos e outros R$ 18,4 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.