Lucio Tavora|AFP
Lucio Tavora|AFP

Atos pela prisão de Lula devem ocorrer em mais de 100 cidades e quatro países

Manifestações acontecem na véspera de julgamento decisivo para o ex-presidente no Supremo Tribunal Federal

Igor Moraes, O Estado de S.Paulo

02 Abril 2018 | 18h00

O Movimento Brasil Livre (MBL), o Vem Pra Rua (VPR) e outros movimentos que lideraram manifestações do impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff preparam nesta terça-feira atos em mais de 100 cidades e 20 Estados do Pais em defesa da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, um dia antes da Corte analisar em Plenário o mérito do habeas corpus impetrado pela defesa do líder petista.

++AO VIVO: Julgamento do habeas corpus de Lula no STF

++ Abaixo-assinado por prisão em 2.º grau busca ‘sensibilizar’ ministros

O VPR informou que também organizou protestos em ao menos quatro cidades fora do País: em Boston (EUA), na praça da Universidade de Harvard; em Santiago, na frente da embaixada do Brasil; e na entrada dos consulados brasileiros em Londres e Roma.

++ Gleisi Hoffman clama por união da esquerda em defesa de Lula

O MBL organizará manifestações em pelo menos 80 cidades, enquanto o VPR já confirmou 101. No início da tarde desta segunda-feira, o MBL promoveu entre as avenidas Juscelino Kubistchek e Faria Lima um ato para divulgar os protestos de amanhã na cidade de São Paulo.  A avenida Paulista será o palco principal da mobilização.

++ Cármen e Galloro se reuniram por segurança em julgamento de Lula

A manifestação do Movimento Brasil Livre na capital paulista contará com um carro de som doado pela startup "Levante". Além disso, o MBL arrecadou mais de R$ 14 mil em uma "vaquinha" online para custear os protestos. O número é superior ao da meta estabelecida inicialmente, de R$ 11 mil. 

++ ‘Criminalidade vai aumentar e o preço pode ser a vida de cada um de nós’

Na quarta-feira, o MBL também deve promover uma manifestação em frente ao prédio do STF, em Brasília. O VPR informou que pretende mobilizar protestos apenas nas redes sociais no dia do julgamento.

A análise do habeas corpus é decisiva para o futuro de Lula. Condenado a 12 anos e um mês de prisão pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), Lula já teve seus recursos negados na segunda instância da Justiça Federal e também não teve sucesso no HC enviado ao Superior Tribunal de Justiça. Atualmente, a liberdade do ex-presidente é garantida por um salvo-conduto concedido pelos ministros do Supremo.

O líder do MBL, Kim Kataguiri, afirmou ao Estado que o movimento tem uma expectativa positiva do julgamento na quarta-feira. Para ele, o voto decisivo, a favor da prisão de Lula, deve ser da ministra Rosa Weber. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.