Cármen e Galloro se reuniram por segurança em julgamento de Lula

Cármen e Galloro se reuniram por segurança em julgamento de Lula

Presidente do Supremo Tribunal Federal e diretor-geral da PF conversaram nesta segunda-feira, 2, no momento em que ministros recebem ameaças e são alvo de protestos nas proximidades do julgamento de habeas preventivo do ex-presidente

Rafael Moraes Moura e Amanda Pupo/BRASÍLIA

02 Abril 2018 | 14h43

Presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia. FOTO: ANDRE DUSEK/ESTADÃO

BRASÍLIA – A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, se reuniu na manhã desta segunda-feira (2) com o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, para tratar da segurança do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nesta quarta-feira (4), informou a Secretaria de Comunicação Social da Suprema Corte.

+ Defesa de Lula entrega ao Supremo parecer de José Afonso contra prisão em segunda instância

A reunião entre Cármen e Galloro durou cerca de trinta minutos e ocorreu no gabinete da presidência do STF. A conversa se deu em um momento em que ministros do STF são hostilizados nas ruas, viram alvos de críticas nas redes sociais e até de protestos na Semana Santa.

+ ‘A criminalidade vai aumentar e o preço pode ser a vida de cada um de nós’, diz manifesto

Na semana passada, o ministro do STF, Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no STF, afirmou que sua família está recebendo ameaças e que já pediu providências à ministra Cármen Lúcia.

A Secretaria de Comunicação Social do STF informou na noite da última terça-feira, 27, que autorizou o aumento do número de agentes para escolta permanente de Fachin.

Em entrevista ao Estado publicada na última quinta-feira, Cármen disse que a Justiça não se intimida com tentativas de constrangimento.

“A Justiça não se intimida, primeiro porque ela tem um papel constitucional a cumprir do qual ela não pode se subtrair. A prestação da Justiça significa exatamente atender a quem tem direito. O que o juiz ameaçado precisa é de garantia para ter tranquilidade e cumprir as suas funções”, disse a presidente do STF, ressaltando que decisões judiciais sempre trazem um “nível de insatisfação”.