‘Vamos continuar a luta’, diz Sepúlveda sobre derrota de Lula no STF

‘Vamos continuar a luta’, diz Sepúlveda sobre derrota de Lula no STF

Advogado do ex-presidente declarou ao Broadcast Político que estratégia, agora, é seguir com recursos especial e extraordinário

Amanda Pupo e Rafael Moraes Moura/ BRASÍLIA

09 Maio 2018 | 21h19

FOTO PABLO VALADARES/AE

O ex-ministro Sepúlveda Pertence, advogado de defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), disse nesta quarta-feira, 9, ao Broadcast Político que vai ‘continuar a luta’, depois de a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) formar maioria para manter o petista preso.

+ Fux critica proposta de Toffoli e diz que cabe ao Legislativo definir foro

O julgamento do recurso de Lula no plenário virtual começou na última sexta-feira (4) e deve ser concluído até as 23h59 desta quinta-feira (10). Dos cinco integrantes da Segunda Turma, apenas o ministro Celso de Mello ainda não votou.

+ Gilberto Carvalho diz que Bittar ’emprestou’ sítio a Lula

Nesta quarta-feira, os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski decidiram acompanhar o relator do caso, ministro Edson Fachin, e negar o recurso de Lula. O ministro Dias Toffoli já havia seguido o mesmo entendimento, totalizando até a publicação deste texto quatro votos para negar o recurso do ex-presidente.

+ Gilmar Mendes nega pedido de Lula para ser solto e forma maioria

Segundo o Broadcast Político apurou, Lewandowski acompanhou o posicionamento do relator “com ressalvas”, alegando ser a favor da garantia constitucional da presunção de inocência.

+ PF prende prefeito tucano de Mongaguá com R$ 4,6 milhões e US$ 216 mil em dinheiro vivo

“É uma realidade, não era uma defesa final. Vamos continuar a luta agora nos recursos especial e extraordinário, que permitirão ao Supremo um exame mais concreto e substancioso do processo”, comentou Sepúlveda.

A defesa do petista, preso desde o início de abril em Curitiba, já apresentou ao Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4), para admissão, os recursos especial e extraordinário, que deverão julgados, respectivamente, pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e STF.

Lula foi condenado em segunda instância a 12 anos e 1 mês pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex no Guarujá.