Tribunal manda prender outra vez Picciani, Melo e Albertassi

Tribunal manda prender outra vez Picciani, Melo e Albertassi

Deputados do PMDB do Rio, alvos da Operação Cadeia Velha, tiveram prisão decretada pela segunda vez em apenas seis dias

Constança Rezende/RIO

21 Novembro 2017 | 14h45

Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi. Fotos: Tania Rego/Agência Brasil, Fabio Motta/Estadão e Alerj

O Tribunal Regional Federal 2ª Região (TRF2) determinou novamente a prisão do presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani, Edson Albertassi e Paulo Melo, todos do PMDB, nesta terça-feira, 21. Às 14h30, já tinham quatro desembargadores favoráveis à nova prisão.

Nesta sessão, estava prevista a decisão do afastamento dos deputados de suas funções da Alerj, mas o relator Abel Gomes pediu questão de ordem e argumentou que o alvará de soltura, determinada em votação entre os deputados da Alerj, não passou pelo tribunal. A decisão dos parlamentares foi encaminhada diretamente pela assembleia para a prisão de Benfica, na zona norte do Rio, sem passar pelo TRF, e os deputados foram soltos.

Depois de Picciani e Albertassi, Paulo Melo também pede licença da Alerj

+ Fux diz que STF vai ‘certamente’ rever decisão da Alerj de soltar deputados

Em e-mail a Picciani, Sérgio Cabral pediu cargo na Assembleia para o marido da prima

O desembargador Paulo Espírito Santo concordou com o relator e disse que a libertação dos deputados “pareceu resgate de faroeste”. “Eles foram resgatados sem nenhuma ordem judicial”, disse. “As pessoas precisam acreditar no Judiciário e como vão acreditar vendo isso? O Ministério Público está fazendo esforço para recompor o País a sua normalidade, tentando acabar com a corrupção”. “A decisão foi estarrecedora. A Alerj escreveu uma página negra em sua história”, completou.

O desembargador relator havia argumentado que “só pode expedir alvará de soltura quem determina prisão”. “O ato de revogação da prisão só poderia ser expedido por órgão competente, o Judiciário, que portando somos nós. Por óbvio, só expede alvará de soltura quem expede alvará de prisão”, disse.

O desembargador ainda sustentou que a ação foi uma “completa violação à Constituição”. “Até este momento, não recebi nenhum oficio da Alerj, sequer citando o resultado da votação para que o TRF pudesse adotar as providências”, disse. Também votaram a favor da nova prisão os desembargadores Messod Azulay e Simone Schreiber.

Picciani, Albertassi e Paulo Melo foram presos, na última quinta-feira, 16, durante a Operação Cadeia Velha, etapa da Lava Jato sob coordenação do Ministério Público Federal (MPF) e da Polícia Federal (PF) no Rio. Um dia depois, eles foram soltos por uma votação na Alerj.

Os deputados são acusados de receber propina para favorecer empresas do setor de construtoras e concessionárias de transporte público, em troca de decisões favoráveis no legislativo fluminense. O Estado, que vive uma grave crise fiscal, teria deixado de receber R$ 183 bilhões, em decorrência de benefícios fiscais em favor de empresas envolvidas no esquema de corrupção existente desde os anos 90, segundo o MPF.

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA NÉLIO MACHADO, DEFENSOR DE JORGE PICCIANI

O advogado Nélio Machado, que defende Jorge Picciani, considerou a decisão do TRF2 ‘ilegal, inconstitucional e infeliz’. E irá recorrer à instância superior.

A defesa de Picciani questionou o fato de não ter tido acesso ao teor da questão de ordem antes da sessão desta terça, 21.

Segundo Nélio Machado, o presidente da Assembleia do Rio e os colegas – Paulo Melo e Edson Albertassi – não tiveram um ‘tratamento igualitário’ por parte do tribunal.