STF vai julgar dia 11 ação sobre afastamento de parlamentares

STF vai julgar dia 11 ação sobre afastamento de parlamentares

Ministro Edson Fachin, relator da ação, liberou o processo para julgamento nesta sexta-feira, 29

Rafael Moraes Moura e Breno Pires/ BRASÍLIA

29 Setembro 2017 | 11h38

STF. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, marcou para o dia 11 de outubro o julgamento pelo plenário da Corte de uma ação direta de inconstitucionalidade ajuizada no ano passado pelo Partido Progressista (PP), Partido Social Cristão (PSC) e o Solidariedade (SD) que trata do afastamento de parlamentares.

O ministro Edson Fachin, relator da ação, liberou o processo para julgamento nesta sexta-feira (29). Coube à presidente do STF, responsável por elaborar a pauta da Corte, fixar a data de julgamento.

OUTRAS DO BLOG: + Planilha de ‘contas mensais’ apreendida na casa de Lula não registra aluguel de apartamento


Glaucos pede a Moro que intime hospital a apresentar registros de visitas de contador

Toffoli mantém execução provisória da pena de ex-diretor da Assembleia do Paraná

Cármen e Fachin conversaram na última quinta-feira (28) sobre o tema em meio à controvérsia com a decisão sobre a Primeira Turma do STF, que decidiu afastar o senador Aécio Neves (PSDB-MG) das funções parlamentares e o colocá-lo em recolhimento domiciliar noturno.

Fachin havia sinalizado que pretendia liberar a ação para julgamento o quanto antes.

Em uma breve conversa com jornalistas nesta quinta-feira, Cármen disse que “seria muito bom ser julgada essa ação prontamente”. “Se Deus quiser, será breve (o julgamento)”, comentou Cármen Lúcia, que prometeu tratar o tema como “prioridade”.?

Os partidos querem que medidas cautelares previstas no Código de Processo Penal – como o recolhimento domiciliar noturno – que venham a ser impostas a membros do Legislativo sejam submetidas ao crivo do Congresso Nacional em um prazo de 24 horas. Aécio Neves seria beneficiado com esse entendimento.

As legendas também sustentam que medidas judiciais que interfiram no exercício do mandato parlamentar devem ser deliberadas pelo Legislativo.

Mais conteúdo sobre:

STF