PF vai investigar drone que parou Congonhas

PF vai investigar drone que parou Congonhas

Em nota, Polícia Federal informou que vai abrir inquérito 'com objetivo de identificar o objeto e o responsável por ele'

Julia Affonso e Fausto Macedo

13 Novembro 2017 | 12h45

Foto: Marcelo Gonçalves-Sigmapress-Estadão Conteúdo

A Polícia Federal informou nesta segunda-feira, 13, que vai abrir um inquérito para identificar o responsável pelo drone que paralisou o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, na noite de domingo, 12. Um drone sobrevoou a pista de pouso no Terminal e interrompeu pousos e decolagens entre as 20h15 e 22h25.

+ Dez anos após o voo 3054, como Congonhas mudou? 

Anac regulamenta o uso de drones no Brasil

+ Céus cravejados de drones

+ Nos EUA, uso comercial de drones deve crescer 10 vezes até 2021

O incidente provocou a extensão do horário de operação usual ao aeroporto em duas horas. À 0h45, os dois últimos aviões aterrisavam na pista e ainda havia pessoas no saguão remarcando voos.

“Quanto à ocorrência de ontem à noite no espaço aéreo do Aeroporto de Congonhas, informamos que pilotos da aviação comercial, que deveriam pousar naquele local, visualizaram um veículo aéreo não tripulado e informaram a torre de controle. Foi acionado o Centro de Operações de Emergência da Infraero, a PF e PM”, informou a PF em nota.

OUTRAS DO BLOG: + ‘Assessorar alguns políticos é mais comprometedor do que se associar à boca de fumo’, diz delegado da PF

PF vai investigar drone que parou Congonhas

Operação Passe Fácil investiga estelionato no Enem

PF descobre fraudes de R$ 500 mil em benefícios da Previdência

Zé Dirceu em festa

Segundo a Federal, em seguida, ‘foram realizadas diligências no sentido de localizar e identificar os responsáveis pelo drone, dentro da área do aeroporto, na cabeceira da pista e em suas imediações, inclusive com o helicóptero da PM’.

“Apesar das diligências, os responsáveis pelo veículo não foram localizados. Será instaurado inquérito policial pela Delegacia da Polícia Federal no Aeroporto de Congonhas com objetivo de identificar o objeto e o responsável por ele”, afirma a PF.

De acordo com a nota, o responsável será investigado pelo crime previsto no código penal, em seu artigo 261 – expor a perigo embarcação ou aeronave, própria ou alheia, ou praticar qualquer ato tendente a impedir ou dificultar navegação marítima, fluvial ou aérea. A pena é de dois a cinco anos de prisão.