PF investiga dossiês de Sérgio Cabral contra Lava Jato e juiz que o condenou

PF investiga dossiês de Sérgio Cabral contra Lava Jato e juiz que o condenou

Ex-governador do Rio teria montado fundo milionário para bisbilhotar a vida pessoal e profissional do juiz Marcelo Bretas, da família do magistrado e de investigadores da operação que o levou para a prisão, informou o Jornal Hoje, da TV Globo

Roberta Pennafort

08 Novembro 2017 | 13h58

Sérgio Cabral deixa Curitiba. Foto: Geraldo Bubniak/Agência O Globo

Dossiês com informações sobre a vida do juiz da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, Marcelo Bretas, estariam sendo montados sob encomenda do ex-governador do Rio Sergio Cabral (PMDB), preso por decisão dele há um ano. A informação foi divulgada pelo “RJTV”, da TV Globo, nesta quarta-feira, 8, e negada pela defesa de Cabral. O ex-governador e Bretas tiveram uma discussão durante um interrogatório no último dia 23. Nesta quarta-feira, o magistrado está ouvindo Cabral mais uma vez.

Delator da Marcapasso relata ‘ajuda’ do pai do governador do TO junto à Saúde

Governo da Paraíba quer barrar sequestro de R$ 33,9 mi dos precatórios

Juiz titular diz que é dele processo ímpar da JBS em SP

Segundo a reportagem do “RJTV”, a Polícia Federal investiga a confecção dos dossiês, e quer saber com que recursos eles estão sendo financiados, e ainda qual objetivo estaria por trás disso. Pessoas supostamente contratadas a mando de Cabral foram a pelo menos três delegacias do Estado buscar possíveis registros de ocorrência no nome do juiz. A mulher dele, a também juíza Simone Diniz Bretas, também seria alvo dos dossiês. Procurada pelo Estado, a PF ainda não se manifestou sobre as investigações, que, segundo a Globo, são sigilosas.

A chefia da Polícia Civil determinou nesta quarta-feira à sua corregedoria interna a instauração de uma investigação imediata do envolvimento de policiais no levantamento de possíveis informações sobre Bretas no Sistema de Inteligência da instituição (ao qual só servidores têm acesso), com o intuito de “abastecer o suposto dossiê”. A polícia ressaltou, em nota enviada à imprensa, “que tem o maior interesse de apurar com rigor e celeridade a responsabilidade por eventuais ilícitos administrativas e/ou criminais para que os servidores envolvidos sejam penalizados na forma da lei” e se colocou “totalmente à disposição da Polícia Federal e do Ministério Público Federal para colaborar com as investigações referentes a este caso”.

A informação da existência dos dossiês partiu de dentro da Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, onde Cabral e comparsas estão presos. Ele é acusado de liderar uma organização criminosa que embolsou propina advinda de contratos públicos durante suas duas gestões (2007-2014).

Segundo a reportagem do “RJTV”, um fundo milionário teria financiado os dossiês, que serviriam para fazer uma devassa na vida pessoal e profissional de Bretas e de membros da Força Tarefa da Lava Jato no Rio.

No último dia 23, em audiência na 7ª Vara Federal Criminal, Bretas perguntou a Cabral sobre a compra de joias para lavagem de dinheiro, prática atribuída à quadrilha, e o ex-governador mencionou em sua resposta que a família do magistrado comercializa bijuterias. Bretas considerou o tom ameaçador e determinou sua transferência para um presídio federal, o que foi revertido por uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO RODRIGO ROCA, QUE DEFENDE SÉRGIO CABRAL

“É uma mentira criada com nítido propósito de criar intriga entre o ex Governador e o magistrado, para incita-lo a determinar nova transferência para um presídio federal. Sérgio Cabral nada tem a ver com a consulta noticiada.”