PF faz buscas na casa de Marcello Miller

PF faz buscas na casa de Marcello Miller

Agentes cumprem mandados de busca também em São Paulo

Fausto Macedo e Julia Affonso

11 Setembro 2017 | 06h23

Ex-procurador Marcello Miller na sexta-feira, 8, no Rio. FOTO: FABIO MOTTA/ESTADÃO

A Polícia Federal faz buscas nesta segunda-feira, 11, na casa do ex-procurador da República Marcello Miller na Lagoa, no Rio, na Operação Bocca. Ele é suspeito de fazer jogo duplo em favor da J&F.

Agentes cumprem quatro mandados de busca também em São Paulo. Dois alvos são as casas dos empresários Joesley Batista e de Ricardo Saud. Outro é a sede da J&F. O quarto é a casa do advogado Francisco Assis, delator da JBS.

‘Bocca’ da PF liga delação da JBS a mentiras

OUÇA O ÁUDIO QUE COLOCOU EM RISCO A DELAÇÃO DA JBS

Marcello Miller teve a prisão requerida pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. A custódia foi negada pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.

Fachin ordenou a prisão dos empresários Joesley Batista e Ricardo Saud, da J&F, por violação do acordo de colaboração premiada. Os dois se entregaram na sede da Superintendência Regional da Polícia Federal em São Paulo, no domingo, 10.

Saud foi o primeiro a chegar. Por volta de 14h, Joesley, que partiu da casa do seu pai, nos Jardins, chegou. Ambos chegaram à PF em carros particulares.

O nome da operação é uma alusão à “Bocca della Verità”.

“A mais famosa característica da Bocca é seu papel como detector de mentiras. Desde a Idade Média, acredita-se que se alguém contar uma mentira com a mão na boca da escultura, ela se fecharia “mordendo” a mão do mentiroso.

Joesley Batista. Foto: Felipe Rau/Estadão

Joesley Batista. Foto: Felipe Rau/Estadão

Custódia. Por volta das 10h40 desta segunda, Joesley e Ricardo Saud deixaram a Superintendência da Polícia Federal em São Paulo rumo a Brasília. Joesley deixou a sede da PF com um terço nas mãos.

Os executivos foram levados ao Aeroporto de Congonhas, local onde pegarão um voo para a capital federal. Joesley e Saud vão cumprir a prisão temporária em Brasília. A custódia tem validade de cinco dias.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoMarcello Miller