Juiz da Lava Jato manda hospital entregar registro de visitas a Glaucos

Juiz da Lava Jato manda hospital entregar registro de visitas a Glaucos

Engenheiro apontado como 'laranja' do ex-presidente Lula afirma que advogado Roberto Teixeira, compadre do petista, e o contador João Muniz Leite estiveram no Sírio-Libânes, em São Paulo, para que ele assinasse recibos de aluguel do apartamento 121, do edifício Hill House, em São Bernardo do Campo

Julia Affonso e Ricardo Brandt

02 Outubro 2017 | 15h50

Glaucos da Costamarques. Foto: Reprodução

O juiz federal Sérgio Moro determinou nesta segunda-feira, 2, que o Hospital Sírio-Libanês informe se o advogado Roberto Teixeira, compadre do ex-presidente Lula, e o contador João Muniz Leite estiveram no local. A decisão atende a pedido da defesa do engenheiro Glaucos da Costamarques que havia pedido que o magistrado intimasse o hospital para que entregasse os registros de visitas.

Documento

“Oficie-se à Direção do Hospital Sírio Libanês em São Paulo solicitando informação se Glaucos da Costamarques esteve internado no respeitável Hospital em novembro e dezembro de 2015 e, se positivo, o período específico, informação se o Hospital Sírio Libanês mantém registro dos visitantes no estabelecimento e, se positivo, para que seja enviada cópia dos registros dos visitantes a Glaucos da Costamarques no referido período de internamento”, ordenou Moro. “E ainda se positivo, se constam no período de internação de Glaucos da Costamarques registros de visitas ao respeitável Hospital de Roberto Teixeira, ou de João M. Leite (aparentemente João Muniz Leite) e, se positivo, para que seja enviada cópia dos registros de suas visitas.


Primo de José Carlos Bumlai, amigo de Lula, Glaucos é apontado como ‘laranja’ do petista no suposto recebimento de imóveis pela Odebrecht como forma de propinas.

Presidência pagou R$ 190 mil de aluguel do apartamento atribuído a Lula

Planilha de ‘contas mensais’ apreendida na casa de Lula não registra aluguel de apartamento

Herdeira de apartamento em nome de primo de Bumlai diz que venda era para Lula

Para a força-tarefa da Lava Jato, a Odebrecht custeou a compra do apartamento, em nome de Glaucos da Costamarques, primo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente. Na mesma ação, ele responde por também ter supostamente recebido da empreiteira terreno onde seria sediado o Instituto Lula, no valor de R$ 12,5 milhões.

A denúncia da Procuradoria da República sobre o apartamento 121, no edifício Hill House -vizinho à residência de Lula, em São Bernardo do Campo – ainda aponta que propinas pagas pela Odebrecht, no esquema que seria liderado pelo ex-presidente, chegaram a R$ 75 milhões em oito contratos com a Petrobrás.

A Lava Jato afirma que não houve pagamento de aluguel entre fevereiro de 2011 e pelo menos novembro de 2015.

Em 25 de setembro, a defesa do ex-presidente apresentou documentos que contestam a versão dos procuradores. Os comprovantes apresentados referem-se ao período de agosto de 2011 a novembro de 2015. Duas notas têm datas que não existem no calendário: 31 de junho e 31 de novembro.

No dia seguinte, Glaucos da Costamarques reafirmou ao Estadão que é ‘verdadeiro’ o depoimento que prestou ao juiz federal Sérgio Moro.

Em 6 de setembro, Glaucos afirmou em interrogatório perante o juiz federal Sérgio Moro que não recebeu alugueis pelo apartamento 121, mas que declarou à Receita que houve pagamento. “Não recebi”, disse taxativamente.

A Moro, o engenheiro afirmou que passou a receber o aluguel em 2015. Glaucos disse que Roberto Teixeira o procurou em novembro daquele ano quando ele estava hospitalizado.

“O Roberto Teixeira esteve lá no hospital me falando: ‘olha, nós vamos pagar. De hoje em diante, nós vamos pagar o aluguel pra você’. Começaram a pagar. Começaram a pagar com um depósito na conta que eu passei, depósito no Santander. Mas não identificado. Eu acho que eles depositavam naqueles envelopes e aquele envelope tem um limite pra depósito. Acho que eles faziam em três. Então, aparecia lá, era, vamos supor, três mil, vamos por, não lembro quanto era o aluguel naquela época, três mil e trezentos, vamos supor. Eles punham um envelope de dois, um de mil e outro de oitocentos”, narrou.

O juiz da Lava Jato questionou Glaucos se Roberto Teixeira deu alguma explicação para começar a pagar.

“Eu não me recordo. Mas eu lembro que o José Carlos foi preso. Eu entrei no dia 22 de novembro no hospital. Dia 23 ele foi preso. Eu lembro da data por causa do hospital. E ele esteve lá no hospital no fim do mês de novembro”, contou.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoLula