‘Compra do meu silêncio foi forjada para derrubar Temer’, diz Eduardo Cunha

‘Compra do meu silêncio foi forjada para derrubar Temer’, diz Eduardo Cunha

Ex-presidente da Câmara, preso na Operação Lava Jato, é interrogado na 10.ª Vara Federal de Brasília no âmbito da Operação Sépsis e nega ter recebido dinheiro do empresário Joesley Batista JBS para não fazer delação

Fábio Serapião/BRASÍLIA

06 Novembro 2017 | 13h53

Michel Temer e Eduardo Cunha. Foto: André Dusek/Estadão

O ex-deputado Eduardo Cunha negou ter recebido dinheiro do empresário Joesley Batista para não fazer delação e afirmou que a suposta compra do seu silêncio foi ‘forjada para derrubar o mandato do presidente Michel Temer‘.

“Funaro nunca teve acesso a Michel Temer”, diz Cunha

Eduardo Cunha diz ter apresentado Geddel e Henrique Alves a Funaro

A declaração de Cunha foi em resposta a uma pergunta do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10.ª Vara Federal em Brasília, no âmbito dos interrogatórios da ação penal derivada da Operação Sépsis.

“Deram uma forjada e Joesley foi cúmplice e agora está pagando o preço por isso”, afirmou Cunha.

A suposta compra do silêncio de Cunha apareceu pela primeira vez após divulgação
do áudio da conversa gravada entre Temer e Joesley no Palácio do Jaburu, ocorrida na noite de 7 de março.

OUTRAS DO BLOG: + Desembargador da venda de sentença quer levar processo para seu Tribunal

‘Incontroverso coisíssima nenhuma!’, diz Aloysio sobre suposto repasse da Odebrecht

Henrique Alves recebeu mais de 400 visitas em dois meses, afirma procurador

Em seu acordo de colaboração, Joesley Batista disse ter efetuado pagamentos para Cunha e seu operador, Lúcio Bolonha Funaro, com o objetivo de manter os dois em silêncio na prisão.

A informação embasou a abertura de investigação e posterior oferecimento de denúncia contra Temer pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot. A acusação de Janot foi barrada pela Câmara.

Ainda em seu depoimento, Eduardo Cunha afirmou ter participado de um encontro entre Joesley e Michel, em 2012.

A revelação de Cunha sobre a reunião foi no momento em que o juiz Vallisney de Souza elencava perguntas sobre possíveis irregularidades no aporte do FI-FGTS na empresa Eldorado Celulose, do grupo J&F.