Eduardo Cunha diz ter apresentado Geddel e Henrique Alves a Funaro

Eduardo Cunha diz ter apresentado Geddel e Henrique Alves a Funaro

Interrogado nesta segunda-feira, 6, na Justiça Federal em Brasília, ex-presidente da Câmara disse 'não ter conhecimento de ilícitos' dos dois ex-ministros que, como ele, estão presos

Fábio Serapião/BRASÍLIA

06 Novembro 2017 | 11h40

Geddel Vieira Lima. Foto: André Dusek/Estadão

O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ) afirmou em interrogatório da Operação Sépsis na manhã desta segunda-feira, 6, em Brasília, ter apresentado os peemedebistas Geddel Vieira Lima e Henrique Eduardo Alves ao corretor Lúcio Bolonha Funaro. Embora tenha confirmado ter viabilizado os encontros, Cunha disse não ter conhecimento sobre possíveis ilícitos praticados por eles após a apresentação.

“Funaro nunca teve acesso a Michel Temer”, diz Cunha

No caso de Geddel, preso na Papuda, Cunha disse ter feito um pedido para Funaro emprestar sua aeronave à época que o pai do ex-ministro precisava ser levado para São Paulo com urgência para tratamento médico. Cunha não citou a data exata. “Depois passaram a ter convivência próxima”, disse Cunha.

OUTRAS DO BLOG: + Desembargador da venda de sentença quer levar processo para seu Tribunal

‘Incontroverso coisíssima nenhuma!’, diz Aloysio sobre suposto repasse da Odebrecht

Henrique Alves recebeu mais de 400 visitas em dois meses, afirma procurador

Sobre Henrique Alves, o ex-deputado contou tê-lo apresentado ao corretor durante um almoço, em 2012, na casa do empresário Joesley Batista, da JBS. A finalidade do encontro, disse Cunha, era apresentar o peemedebista a Joesley ‘com objetivo de captar recursos para a campanha municipal em Natal(RN)’.

Como Funaro estava presente, Cunha diz ter intermediado a apresentação.

Interrogatório. O depoimento de Cunha é mais uma etapa da fase de interrogatórios dos réus na ação penal derivada da Operação Sépsis, que investiga o pagamento de propina por grandes empresas para liberação de aportes do Fundo de investimento do FGTS.

Já foram ouvidos o ex-vice-presidente de Fundos e Loteria da Caixa Fábio Cleto, o empresário Alexandre Margotto e o corretor Lúcio Bolonha Funaro. Após o ex-deputado, será a vez de o ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves ser interrogado pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10.ª Vara Criminal Federal em Brasília.