Beto Barata/PR
Beto Barata/PR

Temer diz ver decisão com ‘serenidade’

Em último dia de viagem à China, presidente evita comentar anúncio de Janot; no Planalto, avaliação é de que medida enfraquece 2ª denúncia

Cláudia Trevisan, Enviada especial

04 Setembro 2017 | 22h49

Xiamen (China) - O presidente Michel Temer disse ter recebido “com serenidade” a notícia de que a delação premiada de executivos da JBS poderá ser anulada, mas se recusou a comentar o assunto. “Respeito todas as decisões que forem tomadas pela Justiça, pela Câmara dos Deputados, pela Procuradoria-Geral, eu tenho de respeitá-los, mas não devo falar uma palavra sobre isso” afirmou em entrevista coletiva em Xiamen, na China. “Se eu não tivesse essa serenidade desde o início, creio que ninguém suportaria o que aconteceu.”

A primeira pergunta da entrevista de Michel Temer foi sobre a delação da JBS, mas o presidente se recusou a respondê-la de maneira imediata. “Primeiro vou falar sobre a viagem à China, que interessa mais ao Brasil do que isso”, respondeu. Temer avaliou sua passagem pelo país, onde participou da cúpula do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), como “um sucesso”.

Segundo o presidente, a questão deve ser tratada por seu advogado, Antônio Claudio Mariz de Oliveira (leia mais informações nesta página). A possível anulação da delação não invalida as provas que foram produzidas com base nela, de acordo com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. “Se eu não tivesse essa serenidade desde o início, creio que ninguém suportaria o que aconteceu.”

Temer soube da notícia por volta das 6 horas de terça-feira (19 horas de segunda-feira no Brasil), por meio de uma mensagem de WhatsApp mandado por sua assessoria. O deputado Rogério Rosso (PSD-DF), que integra sua comitiva, disse que o presidente reagiu de maneira contida. “Ele está muito reservado (sobre o assunto) e diz que seu foco é a viagem à China”, afirmou o deputado.

Ainda assim, os dez parlamentares que acompanham Temer na viagem esperam conversar sobre a possível anulação da denúncia no voo de volta ao Brasil. A previsão era de que o avião presidencial deixasse a China às 13 horas de terça-feira (2 horas da madrugada, no horário de Brasília) e chegue na manhã de amanhã ao Brasil. O presidente ficou seis dias na China, onde participou do encontro dos Brics e foi recebido em uma vista de Estado pelo presidente Xi Jinping.

A possibilidade de que a denúncia possa ser anulada reforçou o sentimento de que os parlamentares tomaram a decisão correta, disse Rosso. “Nós fomos muito criticados.” Segundo ele, o presidente está cauteloso por não querer fazer comentários apressados. “Ele não quer fazer o que fizeram com ele”, disse Rosso.

Base. Na avaliação do deputado, a suspeição sobre a denúncia da JBS poderá ajudar o governo a rearticular sua base de sustentação no Congresso, o que aumentaria as chances de votação das reformas defendidas pelo governo.

No Planalto, o anúncio de Janot deu munição para a defesa do presidente. Para auxiliares de Michel Temer, o pronunciamento de Janot “põe por terra” a delação de Joesley Batista, que atingiu o presidente, e enfraquece a segunda denúncia contra ele.

Embora o procurador-geral da República tenha dito que a rescisão do acordo de delação “não invalida nenhuma prova”, a defesa de Temer avalia a possibilidade de questionar o depoimento do dono da JBS no Supremo Tribunal Federal (STF).

O pronunciamento de Janot foi visto por auxiliares de Temer no Planalto como uma demonstração de que a provável segunda denúncia contra o presidente, por obstrução de Justiça, ficou totalmente prejudicada. / COLABORARAM TÂNIA MONTEIRO, VERA ROSA e CARLA ARAÚJO

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.