Denis Ferreira Neto/Estadão - 2/12/2021
Denis Ferreira Neto/Estadão - 2/12/2021

Moro quer indicar ao STF ministros 'terrivelmente contra corrupção'

O ex-ministro também minimizou a crise com a Polícia Federal: 'nota não é da PF, é da atual direção da PF'; a corporação havia respondido críticas de Moro ao trabalho realizado desde que deixou o governo Bolsonaro

Natália Santos, O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2022 | 14h09

O ex-ministro da Justiça e pré-candidato à Presidência, Sérgio Moro (Podemos), reagiu à nota divulgada pela Polícia Federal acusando-o de mentir sobre a atuação do órgão e insistiu na tese de que a PF tem esvaziado a apuração de casos de corrupção. Destacando o principal mote de sua campanha, o ex-juiz da Lava Jato ainda criticou o trabalho do Supremo Tribunal Federal e disse que, se eleito, deverá indicar dois ministros "terrivelmente contra a corrupção".  

Segundo Moro, o trabalho do STF tem sido “ruim” ao revisar decisões. "O Supremo tem feito um papel ruim ao anular condenações, não por dizer que a pessoa é inocente, mas por inventar um erro formal que, na minha opinião, não existe. Passa uma mensagem errada para a população de que o crime compensa”, disse, em entrevista ao Jornal da Rio, de Aracajú (SE). O ex-juiz se referia à decisão da Corte que derrubou condenações de Lula, em abril de 2021, sob justificativa de que a Justiça Federal de Curitiba não era competente para investigar o petista, já que as acusações contra o ex-presidente não diziam respeito diretamente ao esquema bilionário de corrupção na Petrobras investigado pela operação Lava Jato. Além da questão do foro adequado, o STF ainda declarou a "suspeição" de Moro nas decisões relativas a Lula.

"Ano que vem, temos duas vagas para o STF e vou apoiar juízes magistrados, profissionais, terrivelmente contra corrupção, legalistas, pessoas apegadas à aplicação da lei e que não tenham dó de mandar prender gente que rouba a população. Tem que ter esse perfil de magistrados no STF”, afirmou.

PF

O ex-juiz havia acusado a PF de esvaziar as investigações sobre corrupção, o que levou à divulgação de uma nota por parte do órgão, alegando se tratar de mentiras. Segundo Moro, a nota não representa a opinião da instituição como um todo, mas, apenas da "atual direção". 

“Essa nota não é da PF. É da atual direção da PF. A direção atual não representa o que pensam as pessoas que compõem a instituição”, afirmou. “Não é só uma questão de quantidade, mas de quem está sendo preso. Prisão de um funcionário público qualquer que pediu propina para conceder uma licença ou um guarda que deixa de aplicar uma multa tem, mas as grandes corrupções, os grandes tubarões, não têm prisão nenhuma. Não ouvimos mais falar nada sobre.”

Moro deixou o cargo de ministro da Justiça, em abril de 2020, acusando Jair Bolsonaro de interferência no órgão, o que, inclusive é tema de inquérito em andamento no Supremo Tribunal Federal contra o presidente.

Na nota divulgada nesta terça-feira, 15, a PF afirma: ”O ex-ministro não aponta qual fato ou crime tenha conhecimento e que a PF estaria se omitindo a investigar. Tampouco qual inquérito policial em andamento tenha sido alvo de ingerência política ou da administração”. A instituição ainda alega que atua “muito além da repressão aos crimes de corrupção” e que não tem o papel de “produzir espetáculos”, mas, sim, de “conduzir investigações, desconectadas de interesses político-partidários”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.