Dida Sampaio / Estadão
Dida Sampaio / Estadão

Flagrado com dinheiro na cueca, Chico Rodrigues deve reassumir mandato

Ministro Luís Roberto Barroso, do STF, decidiu não prorrogar afastamento do senador e abriu caminho para retorno

Rafael Moraes Moura e Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2021 | 21h09
Atualizado 18 de fevereiro de 2021 | 00h40

BRASÍLIA – O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu não prorrogar o afastamento Chico Rodrigues (DEM-RR), o que, na prática, abre caminho para ele reassumir o cargo. Em outubro, Rodrigues foi flagrado com R$ 33,1 mil na cueca. O senador é acusado de desviar recursos do combate à covid-19

A licença solicitada por Rodrigues após o escândalo terminou nesta quarta-feira, 17. De acordo com a Constituição e o regimento interno do Senado, um parlamentar não pode se licenciar do mandato por mais de 120 dias a cada ano. Como a licença foi dada em outubro, Rodrigues pode ficar por mais dois meses e meio longe dos holofotes, mas o Estadão/Broadcast apurou que ele ensaia um retorno, negando todas as acusações. 

O senador foi afastado do cargo há quatro meses por decisão de Barroso, após uma operação de busca e apreensão da Polícia Federal. Rodrigues tentou esconder o dinheiro dos agentes da PF, mas não obteve sucesso. Apesar de não prorrogar o afastamento do senador, Barroso decidiu mantê-lo fora da comissão criada para discutir os valores destinados a Estados e municípios com o objetivo de combater a pandemia do novo coronavírus.

“Seria um contrassenso permitir que o investigado pelos supostos desvios viabilizados pela atuação na comissão parlamentar voltasse a nela atuar no curso da investigação”, argumentou o ministro do Supremo. Ao não prorrogar o afastamento do mandato do senador, porém, Barroso observou que o Ministério Público ainda não ofereceu uma denúncia contra ele, não havendo fatos novos que justificassem a extensão da medida.

Após a decisão de Barroso, no ano passado, Rodrigues decidiu se licenciar para evitar um desgaste maior em uma solução combinada com o ex-presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Do mesmo partido do senador, Alcolumbre agiu para evitar que Rodrigues fosse afastado por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) ou enfrentasse um processo de cassação no Conselho de Ética.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.