Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Sem máscara, Bolsonaro visita comunidades em Brasília neste sábado e causa aglomeração; veja vídeo

Imagens do presidente no local foram divulgadas em redes sociais; a ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, acompanhou o compromisso

Lorenna Rodrigues e Dida Sampaio, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2021 | 13h06
Atualizado 24 de abril de 2021 | 14h38

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro foi na manhã deste sábado à Ceilândia e ao Sol Nascente, regiões administrativas do Distrito Federal, onde, sem máscara, visitou moradores e uma feira coberta, causando aglomerações. O compromisso não estava na agenda oficial de Bolsonaro nem foi confirmado pela sua assessoria de imprensa. Vídeos e imagens do presidente no local, no entanto, foram divulgadas nas redes sociais.

A ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, postou em sua conta do Instagram duas fotos de Bolsonaro, sem a proteção no rosto, no Sol Nascente, posando com apoiadores e tomando café na casa de moradores.

Em vídeos divulgados no Twitter, Bolsonaro aparece ainda provocando aglomeração na tradicional Feira da Ceilândia. O presidente posou para fotos em sua moto, sem a máscara, e cercado de apoiadores.

Durante a pandemia, a máscara é uma recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) como medida de prevenção para a contaminação pelo novo coronavírus e seu uso é obrigatório no País. Conforme o Estadão/Broadcast já mostrou, com 66 anos de idade, o presidente Bolsonaro está apto a receber a vacina no Distrito Federal desde o dia 3 de abril, mas optou por não se vacinar ainda.

Em entrevista à TV A Crítica, em Manaus (AM), na sexta-feira, 23, Bolsonaro disse que não pode ficar só dentro do Palácio do Alvorada, onde reside, em Brasília. Na visita à capital amazonense, Bolsonaro também não usou máscara, causou aglomerações e posou pra fotos. "Eu converso com o povo. Amanhã vou estar na rua de novo. A imprensa ao invés de me acompanhar e dizer o que está acontecendo, quando me acompanhava no passado era para dizer 'tá sem máscara'. Tá de sacanagem", afirmou. "Não posso ficar no Palácio da Alvorada, comendo bem, tem tudo lá dentro, e vendo o povo lá fora se virar. Não posso fazer isso. Eu estou sempre no meio do povo."

Na mesma entrevista, o presidente chegou a dizer que as Forças Armadas podem ir às ruas caso haja um "caos" no Brasil. "O que eu me preparo, não vou entrar em detalhes, um caos no Brasil. Essa política de lockdown, quarentena, fique em casa, toque de recolher, isso é um absurdo. Se tivermos problema, temos plano de como entrar em campo", afirmou o presidente, contrariando os especialistas que defendem as medidas de isolamento social para reduzir a propagação do coronavírus. "Tenho falado, falo 'meu' pessoal fala que não, eu sou o chefe supremo das Forças Armadas. O nosso Exército, as nossas Forças Armadas, se precisar, iremos para as ruas, não para manter o povo dentro de casa, mas para restabelecer todo o artigo 5º da Constituição, o direito de ir e vir, o direito a culto religioso", completou.

Viagens

Neste sábado, a assessoria do presidente informou que ele viaja à Bahia na segunda-feira, 26, para evento de entrega de 26 quilômetros de duplicação da BR-101, entre Feira de Santana (BA) e Divisa BA/SE. Bolsonaro percorrerá 1.363 km de Brasília até a região para a inauguração do trecho, equivalente, em São Paulo, por exemplo, a pouco mais da distância do centro da cidade até o Autódromo de Interlagos.

De acordo com a assessoria do presidente, a cerimônia está prevista para as 11h, na região de Conceição de Jacuípe (BA). As obras de duplicação do trecho entre Feira de Santana e Sergipe, que tem 165 quilômetros, foram iniciadas em 2014, ainda no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff, como parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Nas últimas semanas, Bolsonaro tem viajado para participar da inauguração de pequenas obras e outros eventos. Em Manaus, ele participou de Cerimônia de Inauguração do Pavilhão de Feiras e Exposições do Centro de Convenções do Amazonas.

No início do mês, Bolsonaro foi a Foz do Iguaçu para cerimônia de término da obra civil da pista de pouso e decolagem do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu e inaugurações do novo pátio de manobras e da duplicação da via de acesso ao aeroporto.

Em março, o presidente também participou da inauguração da linha de produção de torres de transmissão de energia e da entrega dos últimos acumuladores à usina nuclear de Angra 3, em Itaguaí (RJ) e da inauguração do Terminal Ferroviário de São Simão, cidade do interior de Goiás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.