Dida Sampaio/Estadão - 18/9/2019
Dida Sampaio/Estadão - 18/9/2019

'Quem vai querer investir num País desse?', diz Maia sobre declarações de Janot

Em tom de brincadeira, presidente da Câmara também afirmou esperar que PF 'tenha tirado porte' do ex-PGR

Caio Sartori, O Estado de S. Paulo

27 de setembro de 2019 | 11h23

RIO - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), brincou na manhã desta sexta-feira, 27, com as declarações do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, que, em entrevista ao Estado na quinta-feira, disse que pensou em matar o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal. "Hoje descobrimos que o procurador-geral queria matar ministro do Supremo. Quem vai querer investir num país desse?", questionou Maia em evento no Rio.

Ao arrancar risadas da plateia, o parlamentar complementou: "Pelo menos a Polícia Federal já devia ter retirado o porte de arma dele para a gente ficar mais tranquilo."

Para Entender

Janot pode ser incriminado?

Saiba se o ex-procurador da República deverá responder à Justiça por revelar plano de matar Gilmar Mendes

Após a palestra, a imprensa pediu para Maia analisar mais a fundo as declarações de Janot. "Sei lá", disse o deputado. "Não se pode nem mais brincar..."

Outro alvo de críticas de Maia foi o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. "O ministro do Meio Ambiente nega os dados técnicos do Inpe, esse é o Brasil que nós temos", disse, também no contexto de crítica à insegurança que o País gera nos investidores.

O presidente da Casa esteve na Fundação Getúlio Vargas (FGV) do Rio de Janeiro com outros parlamentares para um debate sobre parcerias público-privadas (PPPs). Maia afirmou que o trecho restante da PEC da Cessão Onerosa, que garante a divisão dos recursos do leilão do pré-sal entre União, Estados e municípios, deve ser votada até o dia 12 de novembro.

“Todo mundo sabe da importância de reorganizar esses recursos para Estados e municípios. Tenho certeza de que o texto da Câmara não será muito diferente do texto do Senado”, disse. 

Um acordo feito por deputados e senadores nesta quinta-feira permite que o governo ressarça a Petrobras, para além do que autorizaria o teto de gastos, pela atualização dos valores de petróleo produzido na cessão onerosa. O Tribunal de Contas da União (TCU) considerava esse ponto como um empecilho para o leilão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.