Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Quem é Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde demitido por Bolsonaro

Mandetta despertou ciúmes no Palácio do Planalto e foi demitido no meio da crise do coronavírus, após semanas de embates públicos com o presidente Jair Bolsonaro; leia o perfil

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2020 | 15h48
Atualizado 17 de abril de 2020 | 11h27

BRASÍLIA - Médico ortopedista, o agora ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, de 55 anos, vivia corrigindo a postura de seus colegas na Câmara, quando era deputado. A postura, no caso, era a da coluna vertebral mesmo. Foi em uma dessas ocasiões, no Congresso, que ele se aproximou do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro, à época também deputado.

Bolsonaro e Mandetta, que já trabalhou até como médico militar tenente no Hospital Geral do Exército, se uniram na oposição ao governo Dilma Rousseff (PT). O ministro foi contra, por exemplo, o programa Mais Médicos e sempre defendeu a revalidação de diplomas para profissionais estrangeiros.

Com a crise do coronavírus, o médico filiado ao DEM ganhou destaque no noticiário e despertou ciúmes no Palácio do Planalto. Pesquisas e monitoramentos de redes sociais indicam que Bolsonaro perdeu popularidade após o avanço da covid-19, enquanto Mandetta ganhou prestígio.

Ao contrário dos tempos de Congresso, quando tinham afinidade na oposição ao PT, Bolsonaro e Mandetta, agora, pareciam bater cabeça. Foram semanas de embates públicos que levaram à substituição do comando da pasta da Saúde.

Bolsonaro se queixou de que, muitas vezes, o discurso de Mandetta provocou pânico na população e cobrava a mudança de tom. Preocupado com o reflexo da crise no emprego e, como consequência, na sua popularidade, o presidente queria que Mandetta e os outros auxiliares fizessem pronunciamentos mais otimistas, dizendo que o Brasil tem uma economia sólida.

Na prática, até a eclosão da pandemia, o ex-ministro da Saúde estava escanteado na equipe e sempre saía pela tangente quando era abordado sobre assuntos polêmicos. Além disso, fugia de comentários sobre pautas de costumes. Era uma estratégia que não garantia pontos com Bolsonaro, já que o presidente prefere perfis que compram brigas e partem para o enfrentamento político.

No fim do ano passado, Mandetta chegou a dizer a colegas da Câmara que trocaria o governo pela candidatura a prefeito de Campo Grande (MS). Para aliados, a conversa foi interpretada à época como uma forma honrosa de sair, evitando o desgaste de uma demissão. Recentemente, porém, ele disse a aliados que desistiu de disputar a Prefeitura de Campo Grande. Há quem diga que ele planeja voos mais altos, para o governo de Mato Grosso do Sul, em 2022.

No Ministério da Saúde, Mandetta mudou de perfil, baixou o tom de críticas ao Mais Médicos – programa ainda ativo na sua gestão – e ganhou status de voz ponderada no governo.

Carreira

Mandetta começou a carreira política no MDB, em 2005. Naquele ano, ele assumiu a Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande (MS), cidade onde nasceu. Em 2010, deixou o cargo, trocou o MDB pelo DEM e concorreu a deputado federal. Foi reeleito em 2014, mas não disputou novo mandato quatro anos depois.

O homem que comandava a Saúde na gestão Bolsonaro integrava o triunvirato de ministros do DEM no governo. Tereza Cristina (Agricultura) e Onyx Lorenzoni (Cidadania) também são filiados ao partido. Para chegar à Esplanada, ele contou com forte apoio dos dois – à época, Onyx havia sido indicado para a Casa Civil –, e do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM). Mas, para que a escolha não ficasse partidarizada, carregou o aval de frentes parlamentares da saúde, que reúnem integrantes de várias legendas.

Investigação

Mesmo com perfil discreto, Mandetta é conhecido por amigos por não esconder “a real” situação dos fatos. Quando foi convidado para ingressar no ministério, ele avisou Bolsonaro de que era investigado por suposta fraude em licitação, tráfico de influência e caixa dois. O presidente não fez qualquer reparo e observou, à época, que o médico “sequer” era réu. 

A suspeita é de que Mandetta tenha influenciado a contratação de uma empresa em 2009, quando era secretário da Saúde de Campo Grande, para gestão de informações na área. Em troca, ele receberia favores em campanha eleitoral. O Ministério da Saúde repassou R$ 8,16 milhões ao contrato. E a prefeitura, R$ 1,81 milhão.

Segundo uma ação de 2015, movida pela Procuradoria de Campo Grande, o serviço não foi entregue. O mesmo documento afirma que o município teve de devolver à União R$ 14,8 milhões. Mandetta sempre contestou a acusação.

Na véspera da votação da reforma da Previdência na Câmara, quando a Saúde liberou mais de R$ 1 bilhão em emendas, em meados do ano passado, Mandetta admitiu que a pasta fazia um “esforço” para aprovar a matéria. A versão era oposta à de Bolsonaro, que negava relação do pagamento com a votação.

O Ministério Público Federal abriu investigação sobre possível interferência de Bolsonaro, de Mandetta e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), na votação da reforma por causa de liberações de emendas. Procurado, o Ministério da Saúde disse que não ia se posicionar sobre "inquéritos não concluídos”.

Sem 'despetização'

Para integrantes do governo e autoridades que acompanham a gestão do SUS, Mandetta não era um excepcional formulador de políticas públicas, mas cumpria bem a função de ministro. Havia na equipe desconfianças sobre a afinidade dele com o setor de planos de saúde. Tudo porque Mandetta presidiu a Unimed em Campo Grande e chegou a dizer que pautaria mudanças em regras sobre acesso à rede pública.

De qualquer forma, um mérito do titular da Saúde, de acordo com interlocutores do ministério ouvidos pelo Estado, foi blindar a pasta da “despetização” – demissões feitas no começo da gestão Bolsonaro de funcionários que tivessem qualquer indício de ligação com governos do PT.

A área de vigilância em saúde, por exemplo, foi preservada. Trata-se de um setor muito demandado pelo novo coronavírus e no qual há servidores que já enfrentaram crises por doenças mais letais, como H1N1 e zika vírus.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.