ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA
ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA

PSB se divide sobre destino de dissidentes que votaram pró-Previdência

Governadores do partido defendem permanência dos deputados que votaram contra a orientação da bancada; presidente da sigla diz que eles enfrentarão processo no conselho de ética que pode resultar em expulsões

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

27 de julho de 2019 | 05h04

Depois de determinar o fechamento de questão de sua bancada na Câmara contra o projeto de reforma da Previdência, o PSB agora se divide sobre o que fazer com os 11 deputados que não seguiram a orientação da sigla e votaram a favor do texto do governo. Os governadores Renato Casagrande (Espírito Santos) e Paulo Câmara (Pernambuco) são contra a expulsão dos parlamentares – que seria a punição mais rigorosa. 

“São parlamentares decentes que votaram convencidos. Não foram beneficiados pelo governo. Defendo uma posição que mantenha esses parlamentares no PSB. Tenho discordância sobre o fechamento de questão”, disse o governador capixaba. 

Casagrande afirmou ainda que ele e o PSB consideram a reforma da Previdência importante, mas discordam de pontos do projeto. “Alguns pontos são muito duros com os trabalhadores, como o tempo de contribuição para aposentadoria integral”, afirmou. 

O governador de Pernambuco seguiu na mesma linha: “Não se está buscando a expulsão de ninguém. O diretório vai analisar cada caso e tomar as medidas necessárias”, disse Paulo Câmara ao Estado.

A ideia de expulsão, porém, tem o apoio de uma ala mais à esquerda do partido. Para esse grupo, o caso é similar ao dos 13 deputados expulsos após votarem a favor da reforma trabalhista, durante o governo Michel Temer. O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, decidiu que os 11 deputados da legenda que votaram a favor da reforma enfrentarão um processo no conselho de ética da sigla. 

‘Divergências profundas’ com Bolsonaro   

Segundo Casagrande, o PSB votou de forma “coerente” com sua história. “A história do PSB não permitia que o partido votasse favoravelmente à reforma. Ser contra é natural também pelo conteúdo.” Questionado sobre sua relação com o presidente Jair Bolsonaro, o governador do Espírito Santo apresentou uma posição moderada. “Não tenho nenhum problema com Bolsonaro. Tenho uma boa relação com ministros do governo. A relação é respeitosa, mas tenho divergências profundas”, afirmou ele. 

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.