Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Partidos de esquerda que apoiam Maia chamam Bolsonaro de 'presidente criminoso' em manifesto

Documento foi publicado nesta segunda-feira; presidente da Câmara diz que o que os une são liberdades individuais e direitos das minorias

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

22 de dezembro de 2020 | 01h25

BRASÍLIA - Os partidos de esquerda que decidiram engrossar o bloco lançado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para apoiar a candidatura de um deputado à sua sucessão, lançaram nesta segunda-feira, 21, um manifesto para marcar posição sobre pautas da Casa. Assinado por PT, PDT, PSB e PC do B, o documento diz que é preciso derrotar Jair Bolsonaro, chamado de "um presidente criminoso".

MANIFESTO DAS OPOSIÇÕES PARA AS ELEIÇÕES DA MESA

Entre os compromissos citados pelos partidos estão o posicionamento contra a autonomia do Banco Central e a privatização de estatais, entre elas a Eletrobras. Maia afirma, porém, que não há um acordo em torno da agenda econômica dentro do bloco. Até agora, o nome mais cotado para ser lançado como candidato à cadeira de Maia por esse grupo é Baleia Rossi (SP), presidente do MDB. A eleição é em fevereiro de 2021.

As legendas de oposição em torno de Maia defendem, ainda, a retomada de uma proposta que prorrogue o auxílio emergencial e a tributação de lucros e dividendos. "Queremos derrotar Bolsonaro e sua pretensão de controlar o Congresso, um presidente criminoso, cujo afastamento é imperioso para que o Brasil possa recuperar-se da devastação em curso", prega o manifesto.

Mais cedo, Maia afirmou que a pauta do bloco é a defesa da independência da Câmara, das liberdades individuais e do direito das minorias. “Essa é a pauta que nos une. O que nos divide é a pauta econômica. Se fôssemos tratar dessa pauta, não teríamos convergência”, argumentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.