Divulgação/Rede Eclesial Pan-amazônica (Repam)
Divulgação/Rede Eclesial Pan-amazônica (Repam)

Papa veta políticos com mandato entre convidados do Sínodo da Amazônia

Lista de participantes também não vai incluir militares, diz d. Cláudio, relator-geral do encontro

Felipe Frazão, Enviado especial a Belém (PA)

02 de setembro de 2019 | 19h55

A um mês da realização do Sínodo da Amazônia, marcado para outubro em Roma, o Vaticano prepara a lista final de convidados especiais do papa Francisco para participar das discussões sobre a floresta tropical, com veto à participação de políticos com mandato

“Não virão políticos com mandato, nem militares. Não participarão”, disse ao Estado o cardeal dom Cláudio Hummes, relator-geral do Sínodo, nomeado pelo pontífice. 

O governo brasileiro havia manifestado, por vias diplomáticas e pelas Forças Armadas, o interesse de ter voz na assembleia mundial de bispos dedicada a discutir problemas socioambientais nos nove países “panamazônicos” e a presença católica na região. O presidente Jair Bolsonaro considera que há “muita influência política” no Sínodo.

O papa abriu espaço para convidados não religiosos, os chamados auditores e peritos, e deve convidar personalidades mundiais, cientistas e ambientalistas para participar das consultas de aconselhamento. “O papa fala muito da necessária fundamentação científica”, afirmou d. Cláudio.

Um dos nomes brasileiros na lista é o do climatologista Carlos Nobre. Ele participará das primeiras atividades do Sínodo, que ocorrerá entre os dias 6 e 27 de outubro. 

Lista completa de convidados é mantida em sigilo

Há cerca de duas semanas, Nobre recebeu o convite oficial por e-mail do Vaticano. A lista completa ainda é mantida em sigilo pela Santa Sé, que aguarda as confirmações. Além de aproximadamente 250 bispos, farão parte da assembleia outras lideranças católicas, como padres e leigos, e representantes de povos indígenas.

Engenheiro eletrônico formado no Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) e doutor em Meteorologia pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos, Nobre é um dos mais respeitados especialistas em mudanças climáticas do País. Foi pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), além de ter passado por cargos de gestão em órgãos federais durante os governos do PT. 

Para ele, a iniciativa do papa “reflete a enorme preocupação global com o futuro da Amazônia”. “Essa preocupação é amparada, em escala nacional, na forte oposição da sociedade como um todo ao desmatamento da Amazônia e, em escala regional, na necessidade de ouvir o anseio das comunidades indígenas e de outros povos da floresta que querem preservar os seus valores”, disse o pesquisador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.