Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Os olhos, ouvidos e punhos de Raquel Dodge na Lava Jato

Nova titular da Secretaria Penal da Procuradoria-Geral da República Raquel Branquinho é vista como uma das melhores investigadoras criminais do Ministério Público

Beatriz Bulla e Fábio Serapião, O Estado de S.Paulo

25 Setembro 2017 | 05h03

BRASÍLIA - Enquanto muitos políticos esperam uma trégua nos ataques à classe na gestão de Raquel Dodge, a nova procuradora-geral colocou na chefia da área criminal uma procuradora conhecida por estar sempre do lado oposto de políticos e empresários encrencados com a Justiça. Nova titular da secretaria penal da PGR, a qual o grupo de trabalho da Lava será subordinado, Raquel Branquinho tem histórico de atuação em grandes casos de combate a desvios de dinheiro público e é vista como uma das melhores investigadoras criminais do Ministério Público Federal.

Com 46 anos, Raquel Branquinho dedicou 20 ao Ministério Público Federal. Foi no Rio de Janeiro que Branquinho se especializou na área criminal e atuou em casos importantes como o caso Marka-FonteCindam, que investigou presidente e diretores do Banco Central e levou o banqueiro Salvatore Cacciola à cadeia.

+++ CONHEÇA A EQUIPE DE RAQUEL

No Ministério Público Federal no Rio, ex-colegas de Branquinho contam uma história – ainda que não estivessem presentes na sala – que, dizem, é exatamente o que se pode esperar dela. Segundo relatos, Branquinho investigava Waldomiro Diniz – ex-assessor da Casa Civil e ex-presidente da Loterj. Ao fim de um depoimento, ele teria entregue à procuradora uma cartela de “raspadinha”, ao que Raquel teria respondido: “Eu vou raspar. Mas se houver um prêmio aqui o senhor sairá preso por tentativa de corrupção”.

+++ Planilhas reforçam delação sobre MPs, diz PF

O caso envolveu cifras bilionários com o grupo criminoso sendo acusado de prejuízo de R$ 1,5 bilhão. Na época, segundo procuradores da primeira instância, houve grande pressão política sobre a instituição depois da prisão de Cacciola. O ministro da Justiça na ocasião era Renan Calheiros. Apesar de o MPF ter conseguido condenações aos envolvidos, os executivos recorreram e o caso acabou prescrito. Só Cacciola cumpriu pena.

+++ ENTREVISTA: 'Não há nenhum risco nessa mudança', diz ex-procurador-geral

Em outro caso, Branquinho atuou para investigar o chamado “escândalo dos precatórios”. Como havia menção ao então deputado Eduardo Campos, o procurador-geral da época, Geraldo Brindeiro, solicitou que o caso fosse analisado no STF. A atuação do PGR paralisou as ações sobre o caso.

Nos dois casos, Raquel Branquinho confrontou interesses poderosos e viu sua atuação limitada pelo sistema de justiça. Do Rio de Janeiro, foi para Brasília, onde já teve passagem pela PGR quando ajudou na elaboração da denúncia do mensalão.

+++ Raquel tira nomes de Janot da Lava Jato

“Fiquei muito impressionado com a capacidade de trabalho dela”, afirma o procurador Artur Gueiros. Segundo ele, a procuradora digitava enquanto discutia com os colegas a estratégia que seria usada. Ao fim de 1 hora de reunião, conta o colega, Branquinho imprimia a peça jurídica pronta para dar andamento ao caso. “Ela foge um pouco do padrão. De uma reunião que era pra discutir, saíamos com uma petição de 50 páginas digitada”, disse Gueiros, que já era procurador criminal quando Branquinho chegou ao Rio. “A gente estudava muito, não tínhamos grandes recursos. Líamos e destrinchávamos relatórios do BC, da Receita, para cruzar os dados que podíamos”, afirma o procurador.

“Ela é uma das pessoas mais combativas que eu conheço, é incansável, sempre disposta. Ela não vai se intimidar”, avalia a procuradora regional Luciana Guarnieri. As duas entraram na carreira no mesmo concurso, em 1997, tomaram posse no cargo no mesmo dia e foram atuar em Campinas (SP).

Raquel Branquinho é de Franca, interior do Estado de São Paulo, e fez faculdade de direito na Unesp. 

No interior de São Paulo, os procuradores não tinham área de especialização e faziam desde ações criminais até questões de tutela coletiva, como defesa do direito ambiental. Na época, Luciana e Raquel trabalharam juntas ao desvendar fraudes em um consórcio que lesou habitantes de uma cidade próxima. De manhã cedo, conta Luciana, a colega – e hoje amiga – telefonava perguntando se os demais já estavam a caminho do MPF. “Ela é talhada para a função”, diz Luciana.

Já em Brasília, ao lado da procuradora Valquíria Quixadá, Branquinho atuou nos processos do caso Banestado, na capital federal, com o objetivo de mapear os destinatários finais das movimentações financeiras via contas CC5 da agência do branco brasileiro em Nova York. 

+++ Braço direito de Janot diz que está à disposição de Raquel para 'qualquer esclarecimento'

Raquel Branquinho, dizem seus colegas mais próximos, não é de perfil acadêmico e sim operacional. Não optou pelo mestrado. No dia a dia, vai à fundo na investigação. Segundo colegas que dividiram com ela o trabalho em Brasília, Branquinho não espera um despacho escrito chegar à sua mesa. Se depende que uma diligência seja feita pela polícia, vai pessoalmente conversar com o delegado responsável e procura integrar os órgãos envolvidos na produção de provas – como polícia, receita federal e ministério público.

Mais conteúdo sobre:
Raquel Branquinho Raquel Dodge

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.