Michel Jesus/Câmara dos Deputados
Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Operação contra Bivar reforça o que estamos pedindo, diz deputada do PSL

Carla Zambelli (PSL-SP) integra grupo de parlamentares que quer auditoria nas contas do partido; sigla vai analisar expulsão

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2019 | 11h53

BRASÍLIA - O grupo de parlamentares do PSL que pede uma auditoria nas contas do partidona operação da Polícia Federal que tem como alvo o presidente da legenda, deputado Luciano Bivar, uma oportunidade para a dissidência crescer e reforçar sua permanência na sigla.

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira, 15, a Operação Guinhol para apurar supostas fraudes na aplicação de recursos destinados a candidaturas femininas em Pernambuco.

Os parlamentares têm se reunido em Brasília e partilham suas ideias em um grupo de WhatsApp paralelo. Entre eles, estão os parlamentares que podem ser expulsos do partido, como Carla Zambelli (SP), Bibo Nunes (RS) e Alê Silva (MG). “A operação reforça o que estamos pedindo, que é a transparência nas contas do partido, e abre espaço para mais parlamentares virem para nosso grupo”, disse Carla Zambelli ao Broadcast Político. Ela acredita que ao menos dez devem se juntar a eles.

Carla Zambelli disse ainda que o grupo está mais organizado e que, neste momento, a estratégia é se manter no PSL. Eles querem que o presidente Jair Bolsonaro faça parte da executiva nacional do partido. O grupo divulgou uma carta na semana passada em desagravo a Bolsonaro. O documento cobra “novas práticas” da atual direção da sigla, comandada pelo deputado Luciano Bivar (PE), e diz que a ala bolsonarista da bancada “não perdeu a esperança” de que seja aberto um “canal de diálogo”.

PSL ainda avalia expulsões

A cúpula do PSL ainda não bateu o martelo sobre a expulsão de parlamentares que atacaram publicamente a Executiva Nacional, mas a tendência é que o partido decida pelo desligamento de Carla Zambelli, Bibo Nunes e Alê Silva.

"Obviamente que o partido não gostaria de expulsar ninguém. Mas tem algumas pessoas que trazem uma imagem pejorativa para o partido e existem os casos mais folclóricos", disse ao Broadcast Político o vice-líder do PSL na Câmara, deputado Júnior Bozzella (PSL-SP).

Segundo ele, a direção do PSL vai realizar uma série de reuniões informais ainda nesta terça-feira na Câmara com deputados que querem conversar sobre a situação do partido.  "Tem uma grande maioria que quer que expulse, se vai chegar a essa conclusão e caminhar nessa direção não posso cravar ainda. Mas se forem, não vão carregar o fundo eleitoral", afirmou. "A (operação da) PF não muda nada. É um inquérito de 10 meses, se fosse para mudar alguma coisa tinha de ser lá trás."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.