Isac Nóbrega/Presidência
Isac Nóbrega/Presidência

Nova convocação de Bolsonaro para protestos desagrada lideranças partidárias

Oposição vê 'cortina de fumaça' do governo após índices mostrarem baixo crescimento econômico

Emilly Benke e Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2020 | 21h15

SÃO PAULO e BRASÍLIA – A convocação do presidente Jair Bolsonaro a seus seguidores para comparecer à manifestação no dia 15 de março desagradou a lideranças partidárias no Congresso Nacional e governadores da oposição. A oposição vê uma tentativa do governo de criar uma “cortina de fumaça” para o desempenho ainda baixo do crescimento econômico do País.

“Acho que o presidente ao invés de insuflar manifestações deveria estar construindo condições para concentrar os esforços na solução do que realmente interessa”, avalia o líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB). 

Em Boa Vista, Roraima, o presidente convocou os brasileiros a participar da manifestação e afirmou que o movimento é “espontâneo”. Os atos são tidos como contrários ao Congresso e ao Judiciário, embora isso tenha sido negado pelo presidente, mais cedo. “O político que tem medo de movimento de rua não serve para ser político”, disse Bolsonaro.

O assunto repercutiu nas redes sociais de políticos neste sábado, 7. “Todos sabem que o ato do dia 15 visa constranger o Congresso e o Supremo. A convocação de Bolsonaro para esse evento é fato gravíssimo”, declarou no Twitter o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

O senador Major Olímpio (PSL-SP), líder do PSL no Senado, criticou a declaração de Bolsonaro em Roraima. “Esse discurso foi como apagar o fogo com gasolina. O presidente se assumiu como o protagonista principal das manifestações”, disse o parlamentar.

Já a líder da minoria na Câmara, Jandira Feghali (PCdoB-RJ), disse que reunirá outros líderes da Casa para discutir uma resposta conjunta a Bolsonaro. “A gente precisa dar um basta. O Congresso Nacional precisa dar uma resposta institucional", disse Feghali. "Foi, claramente, uma atitude golpista contra as instituições brasileiras. O Congresso Nacional precisa elevar o tom e reagir à altura."

"Bolsonaro não desistiu de acuar o Congresso e o STF. O golpismo faz parte da sua natureza fascista. Todos os democratas têm que reagir contra essa atitude!", declarou o deputado Carlos Zarattini (PT-SP). 

Ao Estado, O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, disse que “as disputas políticas que se aproximam não podem estar acima dos interesses nacionais”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.