Vitor Jubini/Estadão - 05/12/2020
Vitor Jubini/Estadão - 05/12/2020

'Ninguém vai ganhar eleição por antecipação’, diz Hartung

Ex-governador elogia ‘disposição’ de Leite e destaca ‘peso político’ do centro

Gustavo Queiroz, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2022 | 05h00

O ex-governador do Espírito Santo Paulo Hartung negou ter sido convidado para assumir a vaga de “presidenciável” do PSD, mas classificou como corajosa a decisão de Eduardo Leite (PSDB) de deixar o governo do Rio Grande do Sul para “estar à disposição desse debate nacional”. “O gesto do Eduardo é muito importante nessa conjuntura em que estamos vivendo”, afirmou.

Ao Estadão, ele defendeu a redução do número de candidaturas no centro e avaliou que, mesmo que um representante desse campo não chegue a um segundo turno, terá mais peso para “trocar apoio político por programa de governo”.

Eduardo Leite deveria ter ido para o PSD?

Eu admiro o trabalho do (Gilberto) Kassab (presidente do PSD). Ele está trabalhando há algum tempo para formar um partido no nosso país. Inclusive, quando ele me pede para ajudar, eu ajudo porque acho que é um trabalho útil para o Brasil, para a governabilidade do Brasil. Precisamos ter partidos referenciados programaticamente. A minha opinião sobre isso não é a questão central. Ele (Leite) balizou a decisão dele, o Kassab fez uma boa construção com ele. Tanto um quanto o outro conversaram muito comigo sobre isso, e a decisão dele está tomada e tem muito a ver com a cultura política gaúcha, que é diferente da brasileira. O que é corajoso é que com a decisão tomada ele se desincompatibilizou para poder estar à disposição desse debate nacional. Eu valorizo a posição como valorizo de todos os outros pré-candidatos. O que precisamos é de diálogo para ter convergência. A fragmentação não ajuda o eleitor a compreender a diferença programática de um ou de outro. Se a gente conseguir ir para um segundo turno, é um sonho, é o ideal. Se a gente não conseguir, esse candidato que represente esse ponto de vista nosso vai ter um peso, não de trocar posição política por ministério, é trocar apoio político por programa de governo. Essa eleição vai ser duríssima, ninguém vai ganhar por antecipação.

A disposição de Leite de ser o candidato do PSDB mesmo após a derrota para João Doria nas prévias é justa?

O gesto do Eduardo é muito importante nessa conjuntura em que estamos vivendo. O que ele fez foi procurar dentro da legislação existente condições para ficar no debate nacional. Poder continuar contribuindo com uma procura de um caminho que permita desviar da armadilha populista. É um gesto que não traz imposição, mas traz disposição. É um bom gesto nesse contexto, um jovem que mostra uma enorme maturidade e disposição de ajudar para que o Brasil encontre o seu caminho.

Que caminhos são esses?

Nós temos hoje um conjunto de candidatos que representam isso que eu chamo de centro expandido da política brasileira. Um campo político que vai dos liberais reformistas até a centro-esquerda que modernizou o seu conceito de Estado e economia. Nesse campo nós temos cinco ou seis candidaturas. Na minha opinião, deveríamos convergir para uma, no máximo duas candidaturas. Com o objetivo de subir o sarrafo do debate sobre o futuro do Brasil, sair dessa discussão rala. Precisamos que o centro expandido se organize para ter relevância no debate nacional. Precisamos derrubar os principais muros, ligados aos projetos pessoais. Esse campo nosso deu grandes contribuições ao País.

Kassab já citou o nome do senhor como opção para uma candidatura à Presidência. Chegou a cogitar essa possibilidade?

Kassab convidou o (Rodrigo) Pacheco e convidou o Eduardo (Leite), não me convidou. Eu não disse não, nem sim, não disse nada. E também não quero ser convidado porque não acho que cabem mais pré-candidatos nesse campo. A minha proposta é reduzir. É uma honra para mim (ser lembrado). Disputei oito eleições, exerci oito mandatos. Não tem ninguém que tenha feito essa trajetória que eu fiz que, em algum momento, não sonhou em ser candidato a presidente. Só que na conjuntura atual, com um centro expandido congestionado, o esforço político não é para colocar mais um nome. Isso não tem contradição com a ação do Kassab. Não é colocar mais uma candidatura, é, na verdade, fundir essas candidaturas para que esse pensamento político, que é muito importante, mas é desorganizado, passe a ter relevância.

Por que o centro não se consolida como opção viável a Lula e Bolsonaro? Este jogo está jogado?

O jogo não está jogado, mas eu não subestimo essa polarização. Ela é forte, tem torcedores de lado a lado, não é simples furar essa polarização. Tem muito tempo para o processo eleitoral, tem espaço, quando se pega pesquisas espontâneas. As mulheres estão muito indefinidas com esse quadro político. Tem um problema de narrativa. Esse grupo conversa com ele mesmo. Tem que conversar com a Rocinha, com a zona leste de São Paulo, com a região amazônica, com o Brasil central do agro. Mas, evidentemente, com seis pretendentes essa conversa não vai chegar.

Kassab está a serviço do centro político ou de uma aliança mais favorável com Lula em um eventual segundo turno?

Não se discute segundo turno de eleição que tem dois turnos, se discute o primeiro. Não sou porta-voz de ninguém. O que eu gosto do Kassab é essa determinação de formar partido no Brasil. Não faz sentido ter vinte e tantos partidos com assento no Congresso Nacional. Isso é inexistência de uma estrutura partidária real. Precisamos de poucos partidos, e esses partidos precisam ter democracia interna e precisam ter programa. Precisamos superar essa adolescência política. Agora temos cláusula de desempenho, fim das coligações proporcionais, uma grande decisão do Congresso Nacional. Precisa ter democracia interna, não pode ter oligarquia partidária como temos no País.

Um grupo de políticos, economistas e líderes empresariais se reuniu em torno do apresentador Luciano Huck, e o sr. esteve à frente desse movimento. Na eleição presidencial deste ano, para onde caminha esse grupo, para onde deve migrar?

Caminha no sentido original de contribuir para que o Brasil transforme seu potencial em oportunidade para seus filhos. Para isso precisa conhecer as coisas. Pegar experiência boa de educação, saúde e escalar para o Brasil inteiro. Tem uma vontade grande do Luciano, que é uma pessoa super popular, que quer ajudar no debate. O grupo é muito qualificado e diversificado.

Qual 'anti' é maior hoje: o antipetismo ou o antibolsonarismo?

Os dois estão muito fortes no Brasil. O País está dividido, isso pode produzir uma experiência muito ruim em uma hora que o Brasil não tem direito de errar, não tem gordura para queimar. Quando começa a levantar a cabeça vem uma guerra. Estamos com problemas internos. Desemprego alto, renda em queda e temos um mundo que não ajuda a gente a encontrar um caminho.

Críticos dizem que Lula persiste no 'negacionismo econômico'. Qual o risco para o País?

Nós precisamos organizar o centro expandido da política brasileira. Para que ele traga o seu programa. O que vai fazer esse país rodar, gerar renda, levar saneamento, como a gente melhora a educação básica, como coloca o País para investir em ciência, tecnologia e inovação. No meu jeito de ser, eu não sou de “fulanizar”, eu sempre ganhei as eleições no campo das ideias. Eu acho que o centro expandido, se unir suas candidaturas e apresentar seu programa com clareza, vai influenciar. Vai influenciar indo para o segundo turno e até se não for para o segundo turno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.