Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Ministro da Defesa diz, em nota, que 'agressão a profissionais de imprensa é inaceitável'

Para Fernando Azevedo Silva, 'liberdade de expressão é requisito fundamental de um País democrático'; ontem equipe do 'Estado' foi alvo de manifestantes

Patrik Camporez, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2020 | 15h03

BRASÍLIA - O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, divulgou nota nesta segunda-feira, 4, na qual afirma que “qualquer agressão a profissionais de imprensa é inaceitável” e que “a liberdade de expressão é requisito fundamental de um País democrático”. Ontem, durante manifestação em Brasília, com a participação do presidente Jair Bolsonaro, o repórter fotográfico do Estadão Dida Sampaio e o motorista Marcos Pereira foram agredidos fisicamente por manifestantes pró-governo, assim como outros profissionais da imprensa. Hoje, Bolsonaro pôs em dúvida a agressão aos profissionais: 'Se houve, partiu de infiltrados'.

Na nota, o ministro da Defesa afirma, ainda, que “as Forças Armadas cumprem a sua missão Constitucional. Marinha, Exército e Força Aérea são organismos de Estado, que consideram a independência e a harmonia entre os Poderes imprescindíveis para a governabilidade do País”. E prossegue: “O Brasil precisa avançar. Enfrentamos uma Pandemia de consequências sanitárias e sociais ainda imprevisíveis, que requer esforço e entendimento de todos. As Forças Armadas estarão sempre ao lado da lei, da ordem, da democracia e da liberdade. Este é o nosso compromisso.” O Estado apurou que o presidente Bolsonaro foi avisado da nota

Em discurso para as redes sociais ontem, Bolsonaro afirmou que as “Forças Armadas” estão ao lado do seu governo e que pede a Deus que “não tenhamos problemas nesta semana” porque ele “chegou no limite” e “daqui para frente não tem mais conversa” e a Constituição “será cumprida a qualquer preço”.

“Vocês sabem que o povo está conosco, as Forças Armadas ao lado da lei, da ordem, da democracia, liberdade também estão ao nosso lado. Vamos tocar o barco, peço a Deus que não tenhamos problema nessa semana, porque chegamos no limite, não tem mais conversa, daqui para frente, não só exigiremos, faremos cumprir a Constituição, ela será cumprida a qualquer preço. Amanhã nomeados novo diretor da PF, e o Brasil segue seu rumo”, afirmou em discurso publicado nas suas redes sociais.

O Estado apurou que oficiais-generais influentes avaliaram que o presidente Jair Bolsonaro tentou no domingo fazer uso político do capital das Forças Armadas. Ao afirmar que a caserna estava com o governo, ele partiu para “pressões” e “ameaças dissuasórias” que provocaram novo incômodo no setor. 

Ontem, após as declarações de Bolsonaro, vários segmentos das Forças Armadas cobraram em conversas reservadas uma manifestação a respeito dos comandantes ou do ministro da Defesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.