DIDA SAMPAIO / ESTADÃO
DIDA SAMPAIO / ESTADÃO

Militares dizem que Bolsonaro virou presidente ‘zumbi’: ‘Tudo tem limite’'

Oficiais-generais avaliam que presidente não recupera mais capital político após saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2020 | 13h42

BRASÍLIA – Oficiais-generais ouvidos pelo Estado avaliaram que o governo de Jair Bolsonaro terá dificuldades de se levantar após a despedida de Sérgio Moro do cargo de ministro da Justiça. Eles se disseram “perplexos” e “chocados” com as declarações do ex-juiz da Lava Jato acusando o presidente de interferência na Polícia Federal e fraude.

Um dos militares disse que Bolsonaro virou, no mínimo, um “zumbi” no Palácio do Planalto e Moro saiu ainda maior na sua condição de “ícone” da nova política. “Tudo tem limite”, afirmou um dos generais à reportagem. Outro disse que o presidente cometeu “suicídio” e não recupera mais seu capital político.

O tamanho do problema ainda está sendo avaliado, mas todos ressaltam que as consequências são "imprevisíveis". O que joga principalmente contra Bolsonaro, neste momento, é a credibilidade de Sérgio Moro. Portanto, mesmo que o governo ou o Palácio tente exigir que o ex-juiz da Lava Jato prove o que falou a credibilidade de Moro e o seu comportamento têm peso muito mais forte e fala por si.

À reportagem, os militares avaliaram que os sinais dados por Bolsonaro, além da questão da sucessão e interferência na Polícia Federal, são “péssimos” e se movimentam no rumo de setores da política “nefastos”, isto é, a “velha política” que ele mesmo condenou.

Dois oficiais lamentaram que o projeto de país que se estava tentando construir, mesmo com os percalços, foi enterrado com o discurso “forte” de Sérgio Moro. Eles disseram que o presidente destruiu várias pontes de governabilidade que estavam sendo construídas. E, pior, fez um gesto político de pressionar Moro, que não é Luiz Henrique Mandetta, demitido na semana passada do Ministério da Saúde. E, pior, colocou o País em nova crise política, num momento de grave pandemia do coronavírus.

Os oficiais-generais chegaram a lamentar que estejam nesse processo político – no governo - “até o pescoço” e, agora, não sabem ainda como sair da encruzilhada em que se meteram. A situação toda é muito delicada, eles dizem. Todos deixaram claro que o momento político exige reflexão. Mas observam que a demissão de Moro, e como ocorreu, põe o Congresso e a sociedade no debate de um impeachment.

Eles lembraram que têm um compromisso constitucional com o Estado e que, por isso, não abandonam o barco. À reportagem, constataram ainda que um processo de afastamento do presidente é um caminho “longo”  e “difícil” de ser executado. Por isso, prevalece a opinião na caserna que o destino de Bolsonaro pode ser mesmo o de seu antecessor, Michel Temer – um zumbi após as acusações que envolviam o grupo JBS.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.