Marcos Correa/PR
Marcos Correa/PR

Menções ao 'tsunami da educação' tiveram pico no Twitter após fala sobre 'idiotas úteis'

Protesto nacional gerou mais de 3,1 milhões de postagens no Twitter, de acordo com levantamento da FGV

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2019 | 19h40

O protesto nacional contra o contingenciamento de recursos no Ministério da Educação, na quarta, 15, gerou mais de 3,1 milhões de postagens no Twitter, de acordo com a Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP) da Fundação Getúlio Vargas (FGV). 

O órgão identificou dois picos de menções ao chamado "tsunami da educação". O primeiro deles aconteceu logo após serem veiculadas notícias sobre uma declaração do presidente Jair Bolsonaro.

Em Dallas, ele chamou manifestantes de "idiotas úteis". Logo depois disso, às 13h30, quase 38,6 mil postagens sobre o protesto que se articulava foram feitas no Twitter. O outro pico foi por volta das 20h, enquanto os protestos aconteciam nas ruas em diversas cidades do País. Foram 52,6 mil menções neste momento.

"Não foi o fato de Bolsonaro ter feito aquela fala apenas. Ela contribuiu, foi um ponto a mais na narrativa, mas o debate sobre educação já vinha numa crescente", explica o diretor do DAPP Marco Aurélio Ruediger. "A gente vive numa situação polarizada há muito tempo, o que não é novidade, e é isso que acontece que se mexe em temas específicos da agenda pública. Temas que transcendem outros campos, como é o caso da educação."

Em dois dias, as citações ao protesto contra Bolsonaro alcança números próximos a de outros assuntos que "bombaram" no Twitter desde as eleições do ano passado, como a indicação de Sérgio Moro para o Ministério da Justiça, que teve 3,7 milhões de menções em seis dias, e o 1º turno das eleições 2018, que teve o maior impacto em relação a outros eventos políticos já registrado pela FGV desde 2014, com 4,85 milhões de tuítes em um dia.

A DAPP/FGV idenficou que a cidade com maior participação no debate na rede social foi Brasília , de onde partiram cerca 467,78 mil tuítes (15% das publicações), seguida de Rio de Janeiro, com 405,4 mil tuítes (13%); São Paulo ,com 343 mil tuítes (11%); Belo Horizonte , com 124,7 mil tuítes (4%); e Recife , com quase 93,6 mil tuítes (3%). 

Entre as hashtags com maior repercussão no debate durante o período analisado (12h de 14 de maio a 12h de 16 de maio), estão #tsunamidaeducação, usada em 799,5 mil postagens; #15m, em 243,5 mil postagens; e #todospelaeducação, em 232,7 mil postagens.

Além das menções à declaração de Bolsonaro sobre "idiotas úteis", também se destacaram no Twitter publicações com fotos de cartazes levados pelos manifestantes às ruas e ainda posts que também citavam as fexibilizações para porte e posse de armas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.