Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Manifestantes invadem prédio da Prefeitura do Rio

Marcelo Crivella vive crise no governo desde a divulgação de uma reunião fechada, no Palácio da Cidade, em que ele ofereceu ajuda a pastores e líderes religiosos pelo SUS

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

11 Julho 2018 | 12h21

RIO - Um grupo de manifestantes invadiu o 13º andar da sede administrativa da Prefeitura do Rio, no centro, na manhã desta quarta-feira, 11. Eles foram interceptados por guardas municipais no corredor do prédio e saíram. Os manifestantes, que se diziam servidores municipais, pediam a saída do prefeito Marcelo Crivella (PRB) do cargo.

+ Oposição consegue assinaturas para suspender recesso e investigar Crivella no Rio

​+ Ministério Público do Rio vai investigar encontro de Crivella com pastores

Segundo a prefeitura, o manifesto acabou em poucos minutos e o grupo “se retirou pacificamente da prefeitura”. Já o vereador David Miranda (PSOL), que estava com os manifestantes, relatou que a Guarda Municipal agiu com truculência.

“O movimento estava pacífico até a hora que tentaram agredir a gente. A Guarda Municipal, truculenta mais uma vez, machucou uma de nossas companheiras. Tivemos que agarrá-la porque agarram ela fortemente. Mas nós mostramos o nosso recado”, disse Miranda, em um vídeo divulgado em seu Facebook, falando ainda de dentro do prédio.

+ Deputados entram com pedido de impeachment e representação ao MP-RJ contra Crivella

Crivella passa por uma crise institucional desde quando foi divulgada uma reunião fechada, no Palácio da Cidade, em que ele ofereceu ajuda a pastores e líderes religiosos da Universal em cirurgias de catarata e varizes pelo SUS. Além disso, ofereceu auxílio a pastores que estivessem com problemas de IPTU em seus templos.

David Miranda foi um dos 17 vereadores que assinou, nesta terça-feira, 10, um pedido de sessão extraordinária para votar a abertura de processo de impeachment do prefeito. Com isso, os parlamentares deverão voltar do recesso, nesta quinta-feira, 12, para decidir a questão.

A assessoria da Prefeitura do Rio informou que recebeu com “muita tranquilidade” a notícia de que o pedido de impeachment será avaliado pela Câmara Municipal.

“Inclusive, o prefeito Marcelo Crivella aconselhou sua base a abrir um pedido de mesmo teor àquele apresentado pela oposição, para que tudo possa ser esclarecido. O documento da base protocolado tem, até agora, 26 assinaturas, e a expectativa é que chegue a 30 signatários, 13 a mais do que as assinaturas obtidas pelos vereadores da oposição no outro pedido”, informou.

Mais conteúdo sobre:
Marcelo Crivella

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.