Fabio Motta/ Estadão
Fabio Motta/ Estadão

Oposição consegue assinaturas para suspender recesso e investigar Crivella no Rio

Parlamentares deverão analisar a conduta do prefeito, que ofereceu vantagens a líderes religiosos

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

10 Julho 2018 | 16h47

Correções: 11/07/2018 | 08h51

RIO DE JANEIRO - Vereadores de oposição na Câmara Municipal do Rio de Janeiro conseguiram nesta terça-feira, 10, as 17 assinaturas necessárias para convocar uma sessão extraordinária para discutir a abertura de processo de impeachment contra o prefeito Marcelo Crivella (PRB). Agora, parlamentares deverão interromper o recesso para analisar a conduta do prefeito. 

Em reunião fechada no Palácio da Cidade, na semana passada, ele ofereceu a líderes religiosos ajuda para obter cirurgias de catarata e varizes, pelo SUS, para fiéis. Também acenou com a possibilidade de ajuda a pastores com problemas para obter a isenção legal de pagamento de IPTU para seus templos. O encontro foi documentado pelo jornal O Globo.

O pedido de suspensão do recesso foi assinado por um terço dos vereadores: Babá, David Miranda, Leonel Brizola Neto, Paulo Pinheiro, Renato Cinco, Tarcísio Motta, do PSOL; Luciana Novaes e Reimont do PT; Fernando William (PDT); Átila Alexandre Nunes, Rosa Fernandes e Rafael Aloísio de Freitas, do MDB; Leandro Lira (Novo); Professor Adalmir e Teresa Bergher (PSDB); Ulisses Marins (PMN); e Zico (PTB).

++ Deputados entram com pedido de impeachment e representação ao MP-RJ contra Crivella

As assinaturas foram colhidas pelo vereador Tarcísio Motta. Os vereadores querem que a reunião seja realizada na próxima quinta-feira, 12.

O documento com as assinaturas será apresentado ao presidente da Câmara, o vereador Jorge Felippe (MDB). O vice-prefeito do Rio, Fernando MacDowell, morreu em maio deste ano. Há três pedidos de impeachment tramitando na Casa, movidos pelo vereador Átila Nunes (PMDB),  pela bancada do PSOL e pelo Sindicato dos Servidores Públicos do Município do Rio de Janeiro (Sisep-Rio).

++ Ministério Público do Rio vai investigar encontro de Crivella com pastores

A prefeitura informou ainda que orientou sua base na Câmara dos Vereadores a pedir – a exemplo do que fez a oposição – a suspensão do recesso dos parlamentares para o esclarecimento da situação.

O procurador-geral de Justiça do Rio, Eduardo Gussem, afirmou que o Ministério Público também pretende investigar as denúncias feitas por parlamentares de improbidade administrativa contra Crivella. O procurador lembrou que já existem outros procedimentos em tramitação no MP-RJ. Eles questionam atitudes de Crivella em relação ao caráter laico (sem religião) do Estado.

Outro lado

O prefeito afirmou, em nota, que “entende que protocolar pedido de impeachment faz parte do jogo político da oposição. Mas tem certeza que tanto a Câmara de Vereadores quanto o Ministério Público vão saber separar o que é realidade do que é manipulação nesse caso.” 

A pedido de Crivella, vereadores que o apoiam apresentaram outro requerimento para suspensão do recesso de julho e para convocação extraordinária do legislativo municipal. O objetivo, segundo o texto, é o “recebimento de denúncia de infração do prefeito”. O documento obteve 26 assinaturas até o início da noite de segunda-feira, 9.

Correções
11/07/2018 | 08h51

Diferentemente do publicado na versão anterior, o vereador do PTB que assinou a suspensão do recesso foi o Zico. 

Zico Bacana, do PHS, não assinou o pedido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.