Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Ricardo Stuckert/Instituto Lula

Lula almoça com Paes, que aposta em presidente da OAB para o governo no Rio

Encontro teve Rodrigo Maia, o próprio Felipe Santa Cruz e outros aliados do prefeito; petista defendeu ‘pacto’ contra o bolsonarismo

Caio Sartori, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2021 | 18h13

RIO – Depois de se reunir com líderes de esquerda no Rio, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) encontrou o prefeito carioca Eduardo Paes (PSD), o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM) e outros políticos do chamado centro em almoço nesta sexta-feira, 11. Paes anunciou a Lula o nome do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, como seu candidato ao governo do Rio no ano que vem. 

Crítico ferrenho do governo de Jair Bolsonaro, o advogado chegou a ser filiado ao PT na juventude e tentou virar vereador em 2004, mas não foi eleito. Hoje, considera-se de centro e tem em Paes seu principal parceiro na política. Os dois são amigos de longa data.

Lula, por sua vez, adotou tom parecido com o da noite de quinta, 10, quando falou para a esquerda. Defendeu a ideia de um grande pacto para tirar o País da crise e das mãos do bolsonarismo. O almoço foi fechado à imprensa. 

Além de Paes e Maia, estiveram no encontro o próprio Felipe Santa Cruz e outros aliados do prefeito, como os secretários e deputados licenciados Pedro Paulo (DEM) e Marcelo Calero (Cidadania). Todos devem migrar em breve para o PSD, acompanhando movimento recente de Paes. Figuras petistas, incluindo a presidente Gleisi Hoffmann, também participaram do encontro no Palácio da Cidade, que durou cerca de duas horas e meia.

A visita de Lula ao prefeito carioca se deu um dia após o petista se reunir com lideranças de esquerda. Ele favorável à construção de uma frente ampla no Rio que inclua os grupos de Marcelo Freixo, prestes a se filiar ao PSB, e Paes. Ou seja, juntando esquerda e centro.

A composição serviria como um palanque forte, no berço do bolsonarismo, para Lula tentar voltar ao Planalto. O PT deve abrir mão de candidaturas próprias a governador e senador na maioria dos Estados em troca de apoios a Lula. Também pretende priorizar a formação de uma robusta bancada na Câmara.

Nesta manhã, contudo, Paes disse que seu candidato hoje para o Planalto é o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (hoje no DEM, mas que também deve ir para o PSD). O partido de Gilberto Kassab mantém discurso de que terá candidatura própria à Presidência e nos três maiores colégios eleitorais do País. 

Freixo anunciou na manhã desta sexta sua saída do PSOL após resistências internas no partido para ampliar alianças. No PSB do deputado Alessandro Molon, terá mais facilidade de acenar ao centro. Ele e Paes vêm conversando ao longo deste ano.

No Rio, Lula também tem agendas que não se limitam a encontros com políticos, como uma visita a um estaleiro nesta manhã. “Quero mandar um recado aos trabalhadores da indústria naval: não deixem destruírem o que vocês construíram. São 15 milhões de brasileiros desempregados. A gente tem que reagir e defender esse país. O Brasil não é do Bolsonaro”, escreveu após a visita.

Neste sábado, está previsto uma reunião com artistas. Também há a possibilidade de conversar com lideranças do movimento negro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.