Mauro Pimentel/AFP
Mauro Pimentel/AFP

Lideranças políticas prestam condolências a Lula por morte de neto

Arthur Araújo Lula da Silva, de 7 anos, foi vítima de uma meningite

Gregory Prudenciano, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2019 | 14h01

Parlamentares estão usando o Twitter para mostrar solidariedade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que perdeu hoje, 1º, seu neto Arthur Araújo Lula da Silva, de 7 anos. O garoto foi vítima de meningite.

A presidente nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR) desejou força ao ex-presidente e sinalizou que vai pedir à Justiça que Lula esteja presente no velório do neto. "Força, presidente, estamos do teu lado. Sinta nosso abraço e solidariedade. Faremos de tudo pra que você possa vê-lo", escreveu a petista.

Anteriormente, a Justiça negou pedido semelhante feito pela defesa de Lula quando da morte de seu irmão, Genival Inácio da Silva, o Vavá, no mês passado. Na ocasião, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli interveio e liberou a ida de Lula a um encontro com familiares, mas a decisão foi tornada pública no mesmo momento em que o corpo de Vavá era sepultado. 

A Polícia Federal foi informada da morte de Arthur e já trabalha com a possibilidade da defesa do ex-presidente obter o direito de Lula ir ao velório.

"Meu abraço cheio de força, carinho e afeto a Marlene e ao Sandro", escreveu a presidente cassada Dilma Rousseff (PT). "Nessa hora de tragédia e de dor, desejo serenidade e paz à família de Lula para enfrentar tamanha perda. É direito de Lula enterrar o neto".


Candidato derrotado à Presidência da República, Fernando Haddad (PT) desejou "que Deus ampare a família Lula da Silva". O mesmo tom foi adotado pelos parlamentares Paulo Rocha (PT-PA), Jandira Feghali (PCdoB-RJ), Zeca Dirceu (PT-PR) e Henrique Fontana (PT-RS), que usaram o Twitter para mostrar solidariedade com a família de Lula.

O senador Humberto Costa (PT-PE) relembrou as perdas recentes de familiares do ex-presidente. "Depois de perder sua companheira de vida, dona Marisa, Lula foi preso e, na cadeia, perdeu o irmão Vavá, a quem não teve o direito de velar, e agora o neto Arthur. É de uma injustiça atroz", tuitou.

"Carolina Lebbos, Sérgio Moro, a PF e o STF têm a obrigação de liberar imediatamente a ida de Lula para velar o corpo do neto", escreveu o também candidato a presidente em 2018 Guilherme Boulos (PSOL). Não se pode admitir que repitam a canalhice do caso Vavá."

O ex-senador Roberto Requião (MDB-PR) disse que "a dor de Lula é a nossa dor." "A dor de um país ferido por tanta insensatez e mediocridade". Ex-governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT-RS) tuitou: "Esperemos que desta vez o nosso Sistema de Justiça tenha um mínimo sentido de humanidade e permita Lula despedir-se de mais um ente querido que ele perde dentro do cárcere que a exceção lhe reservou."

Nota do PT:

"O Partido dos Trabalhadores está solidário com o presidente Lula e sua família, neste momento de dor em que ele perdeu, de forma dramática, o querido neto Arthur, de apenas 7 anos. É mais uma tragédia pessoal que o atinge, em meio à perseguição política e à farsa judicial de que ele é vítima.

A dor de Lula é compartilhada por cada militante do PT e pelos milhões de brasileiros que o reconhecem como o presidente que mais combateu a fome e a mortalidade infantil, com programas sociais, de saúde e geração de renda. O presidente que defendeu a vida e um futuro melhor para nossas crianças.

Lula não merece estar preso, porque provou sua inocência diante de todas as acusações falsas que lhe fizeram. Lula tem o direito de compartilhar com seus familiares, o filho Sandro e a nora Marlene, o luto pela morte do pequeno Arthur.

Muita força, companheiro Lula. Que Deus o abençoe."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.