NILTON FUKUDA/ESTADÃO
NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Justiça anula reunião na Assembleia de SP e previdência de Doria deve ter novo atraso

Em decisão provisória, desembargadora do TJ-SP determina que deputado da oposição tenha seu voto alternativo lido na Comissão de Finanças

Tulio Kruse, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2019 | 20h24
Atualizado 20 de dezembro de 2019 | 11h29

Uma decisão judicial deve atrasar ainda mais a votação da previdência estadual na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), em um novo revés para o governo João Doria. Decisão liminar da desembargadora Silvia Meirelles, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), anulou nesta quinta-feira, 19, a reunião da Comissão de Finanças e Orçamento que aprovou o Projeto de Lei Complementar (PLC) com as novas regras de aposentadoria dos servidores estaduais. 

A decisão ocorre após o deputado Paulo Fiorilo (PT) entrar com um mandado judicial contra decisão do presidente da comissão, deputado Wellington Moura (Republicanos). Na reunião, no dia 11 de dezembro, Moura impediu o petista de ler um voto alternativo, alegando que ele descumpria o regimento. A desembargadora entendeu que deputado tem o direito de apresentar seu voto. 

Fiorilo tinha a intenção de recomendar a inclusão de mais emendas no texto enviado pelo governo, mas o presidente da comissão disse que o voto “fugia do tema” analisado e desrespeitava o regimento da Casa. Com isso, os deputados da comissão analisaram apenas o voto do relator do projeto, Márcio da Farmácia (Podemos), que recomendou poucas mudanças à proposta. 

A decisão judicial anula provisoriamente a reunião. Ela determina que um novo encontro seja realizado e que o chamado "voto em separado" de Fiorilo seja lido. Com base no regimento da Alesp, a desembargadora entendeu que é necessário ler todos os votos apresentados "a fim de convencimento dos demais parlamentares a respeito das razões pelas quais o deputado diverge do voto do

relator, de modo que todos possam formar suas convicções pessoais".

Tanto o PLC quanto a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que tratam da previdência estadual estavam prontas para votação em plenário. A decisão judicial deve atrasar a tramitação por mais alguns dias. 

"Essa decisão coroa todo um processo atabalhoado feito pelo governador para aprovar uma reforma sem fazer um amplo debate, sem o devido processo legislativo", disse Fiorilo. "O PT discordava da proposta, buscou negociar alternativas. O governo se mostrou instransigente e atropelou o regimento, o que não pode ocorrer."

O deputado Wellington Moura disse que, pessoalmente, discorda da decisão e que acredita que a Alesp deve recorrer da decisão.  "A Justiça tomou a decisão, e acredito que cabe à Assembleia tomar as providências para dar celeridade e continuidade à tramitação da matéria", disse. "Nós entramos em recesso e sabemos que só em fevereiro vamos votar. No momento que a Assembleia recorrer, o TJ-SP terá tempo para trazer essa resposta à Assembeia, para que a gente possa tomar as decisões futuras."

Atraso

No início de dezembro, decisão liminar do desembargador Alex Zilenovski anulou a indicação de um relator especial para a PEC, e atrasou a análise da proposta. O magistrado entendeu que a indicação do relator especial limitou a possibilidade de discussão sobre o tema.

A medida fez com que o presidente da Alesp, deputado Cauê Macris (PSDB), concordasse em deixar a votação para o ano que vem. A decisão desta quinta deve acrescentar mais prazo até a votação das propostas. A Alesp recorreu ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, para derrubar a decissão. Toffoli ainda não decidiu sobre o tema. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.