Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

João Amoêdo diz duvidar da guinada liberal de Jair Bolsonaro

Pré-candidato do Novo disse ainda que é preciso avaliar as ideias, as propostas e a coerência dos projetos políticos para fazer uma análise correta

Marcelo Osakabe e Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2018 | 19h58

SÃO PAULO - Pré-candidato à Presidência pelo Partido Novo, João Amoêdo afirmou nesta terça-feira, 17, ser "cético" em relação às credenciais liberais do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), que também deve se lançar à corrida ao Palácio do Planalto este ano.

+ Bolsonaro diz que não pretende se licenciar do mandato durante a campanha

"Ao análisar (o caso do Bolsonaro), gosto de avaliar alguns aspectos. Primeiro: qual instituição está trazendo esse candidato, que ideias representa, que propostas ela tem e se existe coerência entre o que instituição e a pessoa falam e o que fizeram", disse o pré-candidato, que passou a disputar com o deputado fluminense a bandeira do liberalismo no debate político.

"Tenho dúvidas em relação à instituição e à pessoa, que está há muito tempo no Congresso e não defende claramente essas bandeiras. "Qual a capacidade dele em implementar alguma coisa? O que ele transformou de ideias em coisas práticas em sua trajetória?", questionou.

Amoêdo disse ter inclusive feito um desafio a Bolsonaro. "Dado que ele ainda tem muito tempo de mandato, ele podia aproveitar e trazer algum projeto na linha liberal", comentou. 

+ Não teria nenhum problema em manter Ilan no BC, diz Bolsonaro

​Alianças 

O empresário foi convidado a palestrar durante a 19ª Conferência Anual de Investidores do Santander, que também recebeu hoje os ex-ministros Marina Silva e Henrique Meirelles

Assim como a pré-candidata da Rede, Amoêdo disse que ainda não entrou na discussão de possíveis alianças, mas salientou que elas serão decididas com base no alinhamento do programa das candidaturas, e não em questões como tempo de TV ou palanque.

+ Eleições 2018: conheça os pré-candidatos à Presidência da República

"As pessoas no fundo querem renovação, coerência e a gente não poderia abrir mão disso logo na largada", disse. Instado a comentar de quais nomes se sente mais próximo, Amoêdo disse ter maior proximidade com nomes como Henrique Meirelles, que pode sair pelo MDB, e Flávio Rocha, do PRB, do que pré-candidatos como Manuela d'Ávila (PCdoB) e Ciro Gomes (PDT).

Mas voltou à questão dos partidos: "Independente da qualificação técnica do Meirelles ou do Rocha, será que os partidos vão querer sair da política profissional, abrir mão das práticas antigas, dos benefícios? Acho pouco provável". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.