Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Bolsonaro prevê saída de 11 ministros; confira os mais cotados

O presidente da República calculava que trocaria 12 ministros, mas candidatura do ministro da Saúde Marcelo Queiroga ao governo da Paraíba não engrenou

Davi Medeiros, O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2022 | 09h03
Atualizado 04 de fevereiro de 2022 | 11h37

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta quinta-feira, 3, que 11 ministros devem deixar o governo para disputar as eleições em outubro. Segundo o mandatário, a dança das cadeiras está prevista para 31 de março. Pelo calendário eleitoral, o prazo para que ministros e secretários de Estado abandonem seus postos para viabilizar candidaturas é 2 de abril. 

Anteriormente, o chefe do Executivo havia calculado a troca de 12 ministros em decorrência das eleições. Esse número diminuiu porque o titular da Saúde, Marcelo Queiroga, teria desistido de sua candidatura ao governo da Paraíba. A imprensa local da Paraíba noticiou que Queiroga optou por lançar o filho, Cristóvão Neto, candidato a deputado pelo PL.

Em visita a Rondônia nesta quinta-feira, Bolsonaro afirmou que ainda não pretende revelar quem serão os titulares substitutos. "Dia 31 de março, um grande dia, é um pacotão: 11 saem e 11 entram. Da minha parte, vocês só vão saber via Diário Oficial da União”, disse, alegando querer evitar ciumeira entre os aliados.

Veja a lista de ministros cotados para disputar as próximas eleições e os mandatos em negociação: 

  • Tarcísio de Freitas (Infraestrutura): candidato apoiado por Bolsonaro para o governo de São Paulo;
  • Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional): quer disputar o governo ou o Senado pelo Rio Grande do Norte;
  • João Roma (Cidadania): tem sido estimulado pelo Planalto a concorrer ao governo da Bahia contra seu antigo padrinho político, ACM Neto.
  • Tereza Cristina (Agricultura): cotada para concorrer à vice-presidência na chapa de Bolsonaro; também já demonstrou interesse em tentar o Senado no Mato Grosso do Sul;
  • Fábio Faria (Comunicações): pré-candidato ao governo do Rio Grande do Norte, onde terá de afastar a hipótese de o colega Marinho tentar o mesmo posto;
  • Onyx Lorenzoni (Trabalho e Previdência Social): está em plena campanha para o governo do Rio Grande do Sul;
  • Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos): Bolsonaro já afirmou que gostaria de tê-la candidata ao Senado em São Paulo. Nesta quinta-feira, 3, ela disse que ainda não decidiu mesmo se vai mesmo entrar na disputa e em qual Estado, mas destacou que gostaria de ser presidente do Senado para propor um novo Código Penal.     
  • Flávia Arruda (Secretaria de Governo): cotada como candidata do PL ao Senado ou ao governo do Distrito Federal;
  • Anderson Torres (Justiça): já manifestou o desejo de concorrer ao Senado, também pelo Distrito Federal;
  • Gilson Machado (Turismo): provável candidato ao Senado ou ao governo de Pernambuco;
  • Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia): cotado para deputado federal por São Paulo pelo PL.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.