Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Inquérito das fake news identificou 'financiamento internacional' a campanhas contra instituições

Em entrevista ao Canal Livre, programa da TV Bandeirantes, o ministro do STF Dias Toffoli afirmou que descoberta foi feita em quebra de sigilo bancário e a classificou como 'gravíssima'

Marina Aragão, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2021 | 02h53

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli afirmou que o inquérito das fake news identificou "financiamento internacional a atores que usam as redes sociais para fazer campanhas contra as instituições brasileiras, em especial o STF e o Congresso Nacional". A revelação do magistrado foi feita em entrevista ao programa Canal Livre, da TV Bandeirantes, exibida na madrugada desta segunda-feira, 22.

A investigação vai dar continuidade ao "aprofundamento desses dados", sob comando do ministro Alexandre de Moraes - quem, segundo Toffoli, o "autorizou" a dar a informação para a imprensa.  

Na entrevista, Toffoli classificou a descoberta como "gravíssima". Para ele, a história do Brasil já mostrou que financiamentos a grupos radicais vem para "criar o caos e desestabilizar a democracia em nosso País". O ministro acrescentou que não poderia dar mais detalhes sobre a investigação.

"Esse inquérito que combate as fake news e atos atindemocráticos, em quebra de sigilos bancários, já identificou financiamento estrangeiro internacional a atores que usam as redes sociais para fazer campanhas contra as intituições, em especial o Supremo Tribunal Federal e o Congresso Nacional. Ou seja, está em curso o aprofundamento desses dados de investigação pelo ministro Alexandre de Moraes, o que é gravíssimo. A história do País mostrou a que isso levou no passado, financiamento a grupos radicais, seja de extrema-direita, seja de extrema-esquerda, para criar o caos e desestabilizar a democracia em nosso País. Nós estamos identificando isso, eu não posso dar maiores detalhes, mas é fundamental ir a fundo nessa questão", disse.

Segundo o ministro, não se trata de "um grupo de malucos". "Há uma organização por trás disso, que ataca inclusive a imprensa tradicional e séria. Temos que estar atentos e o inquérito está em excelentes mãos”, ressaltou.

Então presidente do STF, Dias Toffoli abriu o inquérito no dia 14 de março para investigar “notícias fraudulentas (fake news), denunciações caluniosas, ameaças e infrações revestidas de animus caluniandi, diffamandi ou injuriandi, que atingem a honorabilidade e a segurança do Supremo Tribunal Federal, de seus membros e familiares, extrapolando a liberdade de expressão”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.