Guru bolsonarista, Olavo de Carvalho mente que não há mortes confirmadas por coronavírus

Escritor ainda divulgou informações falsas sobre procedimentos e inseriu a pandemia do novo coronavírus numa teoria conspiratória em uma transmissão ao vivo no Youtube

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2020 | 11h03

"Guru" do bolsonarismo, o escritor Olavo de Carvalho divulgou informações falsas e inseriu a pandemia de coronavírus numa teoria conspiratória em uma transmissão ao vivo no Youtube no domingo, 22, para o canal do site Brasil Sem Medo.

Na transmissão, ele afirma que não há nenhum caso confirmado de morte por coronavírus no mundo - uma mentira - e que a pandemia, em sua opinião, seria "a mais vasta manipulação de opinião pública que já aconteceu na história humana". 

Só no Brasil foram registradas 25 mortes de acordo com o Ministério da Saúde do governo de Jair Bolsonaro e são 1.546 casos confirmados da doença. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), são mais de 294 mil casos no mundo e mais de 12.784 mortes

O vídeo do qual Olavo participa não aparece mais no canal do Brasil Sem Medo, mas está disponível em outras contas, como na de um usuário identificado como "Leandro luiz de souza", divulgada pelo próprio Olavo em seu Facebook.

"Você não tem um único caso confirmado de morte por coronavírus", mentiu Olavo. "Para confirmar, você precisa fazer o exame de cada órgão do falecido, e onde que fizeram isso? Nunca fizeram nenhum. É a mais vasta manipulação de opinião pública que já aconteceu na história humana. Parece coisa de ficção científica. A experiência de 72 anos de vida me mostra que em geral a verdade é inverossível. O que as pessoas esperam que aconteça não acontece e o que acontece é o que elas não esperavam, então elas não acreditam que está acontecendo."

O Ministério da Saúde detalha em seu site oficial as definições operacionais para a saúde pública sobre como tratar casos como suspeitos, prováveis ou confirmados de coronavírus no País, além de expor o procedimento para confirmação de um caso.  

"O diagnóstico é feito com a coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou indução de escarro)", informa a pasta. "É necessária a coleta de duas amostras na suspeita.  Para confirmar a doença é necessário realizar exames de biologia molecular que detecte o RNA viral. O diagnóstico do coronavírus é feito com a coleta de amostra, que está indicada sempre que ocorrer a identificação de caso suspeito."

Olavo associa o coronavírus à gripe comum. Ainda no início do mês, o Estado publicou uma matéria do The New York Times sobre comparações entre as duas doenças e mostrou que, em média, as cepas sazonais de gripe matam cerca de 0,1% das pessoas infectadas. A gripe de 1918 teve uma taxa de mortalidade excepcionalmente alta, em torno de 2%. Por ser muito contagiosa, essa gripe matou dezenas de milhões de pessoas. As primeiras estimativas da taxa de mortalidade do coronavírus em Wuhan, China, o epicentro do surto, giraram em torno de 2%, e relatórios seguintes chegaram a 1,4%.

No Facebook, Olavo tem compartilhado links com críticas à China e à Rússia e, na live, disse ver a pandemia de coronavírus como parte do que chama de "esquema russo-chinês". Ele se fundamenta na divulgação - que de fato aconteceu - de um documento da União Europeia analisado pela Reuters em que a mídia russa é acusada de divulgar fake news sobre o coronavírus. "A onda de pânico veio de Moscou", disse Olavo. 

Rússia negou as acusações do documento divulgado pela Reuters. O documento é datado de 16 de março e foi produzido pelo Serviço Europeu de Ação Externa, um braço da política externa da União Europeia. De acordo com o texto, a campanha "posta em prática pela mídia estatal russa e pró-Kremlin sobre o Covid-19" já está em curso.

"O objetivo principal da desinformação do Kremlin é agravar a crise da saúde pública nos países ocidentais ... de acordo com a estratégia mais ampla do Kremlin de tentar subverter as sociedades europeias", diz.

Já em relação à China, como mostrou o Estadão Verifica, a teoria conspiratória de que os chineses teriam “inventado” o novo coronavírus não tem pé nem cabeça. Primeiramente, não há nenhum indício que o SARS-CoV-2 (nome oficial do vírus) tenha sido criado em laboratório. Em segundo lugar, as bolsas da Ásia, incluindo as da China, vêm apresentando queda em reação ao avanço da pandemia. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.